Ataques antissemitas aumentam 300% na Áustria

Ataques antissemitas aumentam 300% na Áustria
Ataques antissemitas aumentam 300% na Áustria Direitos de autor Euronews
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Ministério do Interior quer controlar aplicações de mensagens para prevenir ataques terroristas

PUBLICIDADE

A guerra entre Israel e Hamas motivou um aumento considerável no número de ataques antissemitas em vários países europeus. Na Áustria verificou-se um aumento de 300% relativamente ao mesmo período do ano passado.

Benjamin Nägele, Secretário-Geral da Comunidade Judaica de Viena, denuncia alguns casos:

"Há estudantes judeus assediados e culpados pelo conflito no Médio Oriente, são vítimas de bullying com um fundo antissemita. Temos alguns danos materiais, como partir a janela de um talho judeu e fugir a gritar em árabe. Há ainda casos em que a bandeira israelita foi deliberadamente rasgada mas não a austríaca. É claro que isso tem um efeito simbólico, que magoa e que, naturalmente, perturba sempre a comunidade judaica".

Apesar do aumento verificado, a organização Solidariedade Palestina-Áustria disse à euronews que não considerava os ataques contra símbolos do Estado de Israel como ataques antissemitas, acrescentando no entanto que a comunidade judaica tinha de ser protegida.

A Áustria tem vindo a colocar mais forças de segurança junto às instituições judaicas. Além disso, o Ministério do Interior pediu autorização para monitorizar aplicações de mensagens como o Whatsapp, a fim de evitar possíveis ataques terroristas, queixando-se que, neste domínio, a polícia austríaca era a que tem menos acesso na UE.

O problema não está confinado à Áustria. No Reino Unido, registaram-se mais ataques antissemitas nas últimas quatro semanas do que nos primeiros seis meses do ano e em França os perto de 900 ataques no mesmo período são mais do dobro do total de incidentes antissemitas em 2022.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Produtores de petróleo preocupados com a transição para as renováveis

Última edição do jornal mais antigo do mundo

Será que a Alemanha pode ser neutra em relação à guerra de Gaza?