Kiev reivindica assassinato de político russo em Luhansk, no leste da Ucrânia

O carro armadilhado em que viajava Mikhail Filiponenko, um político pró-russo, morto em Luahnsk, no leste da Ucrânia
O carro armadilhado em que viajava Mikhail Filiponenko, um político pró-russo, morto em Luahnsk, no leste da Ucrânia Direitos de autor Кадр из видео AFP/СК РФ
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Vários apoiantes públicos da invasão russa da Ucrânia e funcionários de Moscovo instalados em território tomado pelas forças russas foram atacados e assassinados desde o início do conflito.

PUBLICIDADE

KIev reivindicou o assassinato de Mikhail Filiponenko, um político pró-russo, morto na explosão de um carro armadilhado, na região ocupada de Luhansk, no leste da Ucrânia.

Filiponenko - um antigo chefe da milícia local de Lugansk, o exército separatista apoiado por Moscovo que lutava contra Kiev desde 2014 - era membro do chamado Conselho Popular, um parlamento local criado por autoridades alinhadas com Moscovo.

Os serviços secretos ucranianos, que lançaram ameaças de represálias sobre todos os criminosos de guerra e colaboradores, dizem que Filiponenko esteve implicado na organização de câmaras de tortura para prisioneiros de guerra e civis ucranianos.

Luhansk é uma das quatro regiões ucranianas anexadas ilegalmente pela Rússia após a sua invasão em fevereiro de 2022.

Os meios de comunicação russos publicaram fotos de um carro 4x4 escuro destruído, estacionado na beira da estrada, com manchas de sangue no banco do motorista, no que disseram ser o rescaldo do ataque.

Vários apoiantes públicos do ataque da Rússia à Ucrânia e funcionários de Moscovo instalados em território tomado pelas forças russas foram atacados e assassinados desde o início do conflito.

No mês passado, Oleg Tsaryov, um político pró-Kremlin que Moscovo estaria supostamente a alinhar para liderar um governo fantoche em Kiev, sobreviveu a um tiro no seu complexo hoteleiro, na península anexada da Crimeia.

Moscovo acusa os serviços secretos ucranianos de estarem na origem desse e de vários outros ataques, incluindo a explosão do carro da nacionalista Darya Dugina, nos arredores de Moscovo, no ano passado e o ataque ao bloguista militar Vladlen Tatarsky,  num café de São Petersburgo, em abril.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia recruta à força residentes de cidades ocupadas na Ucrânia

Kiev atacada por drones russos na manhã deste sábado

Kremlin recusa ter caído num "impasse" na Ucrânia