Helsínquia e Moscovo trocam acusações em crise fronteiriça

Helsínquia e Moscovo trocam acusações
Helsínquia e Moscovo trocam acusações Direitos de autor Hannu Huttu/Lehtikuva
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A partir desta sexta-feira só estará aberta uma fronteira entre Finlândia e Rússia, a mais remota, a norte do Circulo Polar Ártico

PUBLICIDADE

A partir de sexta-feira, apenas estará aberto um posto fronteiriço entre Finlândia e Rússia, o mais remoto, Raja-Jooseppi, situado a norte do círculo polar Ártico. Helsínquia justifica-se com a necessidade de garantir a segurança do povo finlandês e admite que está a estudar uma mudança na legislação que lhe permita o encerramento total da fronteira com a Rússia.

O primeiro-ministro finlandês acusa Moscovo de orquestrar uma crise migratória. De acordo com Petteri Orpo, "as autoridades russas não intervieram, pelo contrário. Há indícios de que estão a ajudar a instrumentalizar a entrada no país, o que é uma forma de tentar influenciar os assuntos internos da Finlândia e a segurança das fronteiras da UE."

A Rússia nega as acusações e o governador da região de Murmansk partilhou um vídeo com o que diz serem centenas de pessoas provenientes de África e Médio Oriente, junto à fronteira com a Finlândia e impedidos de entrar no país.

Acusa Helsínquia de criar artificialmente um bloqueio que pode dar origem a uma crise humanitária numa região onde as temperaturas rondam atualmente os -10ºC.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Contagem decrescente para a segunda volta das presidenciais finlandesas

Finlândia prolonga por mais um mês encerramento da fronteira com a Rússia

Finlândia fecha último posto de fronteira com a Rússia