Bruxelas prolonga a utilização do glifosato apesar de ser considerado perigoso

Bruxelas prolonga a utilização do glifosato apesar de ser considerado perigoso
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A Comissão Europeia prorrogou a autorização do glifosato por dez anos, até 2033. Mas a sua renovação ainda está a ser debatida. Enquanto as vítimas deste herbicida lutam por justiça, outras vozes se levantam contra ou a favor da sua utilização.

PUBLICIDADE

O glifosato, um herbicida altamente eficaz, foi introduzido no mercado em 1974. Nessa altura, não se suspeitava dos seus efeitos na saúde.

A União Europeia (UE) acaba de renovar a sua autorização por 10 anos.

A Organização Mundial de Saúde (OMS) classificou o glifosato como provável agente cancerígeno para o ser humano em 2015.

"Viemos a Quiberon (Bretanha) para falar com Ludovic. Ele tem 52 anos. Era paisagista e o glifosato destruiu-lhe literalmente a vida", explica Mathieu Orcel, repórter da Euronews.

Eu sou Ludovic Maugé, era paisagista e tenho cancro, que contraí devido aos pesticidas enquanto trabalhava, o meu filho, ensinei-o a nadar nesta praia. São recordações que me vêm à memória. É comovente...".

Ludovic Maugé, vítima do glifosato.
Ludovic Maugé, vítima do glifosato.Ludovic Maugé

Desde 2020, a vida de Ludovic tornou-se numa luta diária. Passou seis meses nos cuidados intensivos e teve de se submeter a doze quimioterapias sucessivas.

"A doença foi muito complicada de diagnosticar, porque é um linfoma muito raro, por isso foram quase seis ou sete meses de investigação médica", diz Ludovic.

Euronews: Como é que trabalhavam na altura, como é que trabalhavam com o glifosato?

"Estamos a falar de há 20 anos... Já o encontrávamos em quase todo o lado, não havia nenhuma isenção como há agora.... Trabalhávamos simplesmente com um pulverizador às costas, com uma t-shirt por baixo. E fazíamo-lo manualmente, sem máscara, sem luvas, sem nada...", explica Ludovic Maugé.

Ao longo dos anos, pesticidas como o glifosato têm-se revelado perigosos.
Ao longo dos anos, pesticidas como o glifosato têm-se revelado perigosos.euronews

Roundup, Gallup, Clipper e outros... Estes herbicidas à base de glifosato eram considerados inofensivos na altura, com algumas precauções de utilização.

Em busca de justiça

Atualmente, Ludovic já não tem forças para perseguir a Monsanto. No entanto, numerosas acções judiciais foram levantadas em todo o mundo contra o gigante alemão Bayer, que comprou a Monsanto em 2018.

Temos um encontro marcado com o Sr. Lafforgue. É um advogado especializado nestas questões. Foi o primeiro a conseguir estabelecer a relação entre a patologia dos seus clientes e a utilização de herbicidas e pesticidas. Foi ele que ganhou o primeiro processo contra a Monsanto.

Enfrentamos um verdadeiro lobby de pesticidas que tenta esconder os perigos dos pesticidas para que os agricultores e os seus empregados continuem a utilizá-los", afirma. Os estudos que foram tidos em conta para esta renovação da aprovação são inconclusivos e, sobretudo, os estudos que deveriam ter sido tidos em conta, que demonstram a perigosidade destas substâncias ativas, foram excluídos por razões erradas pelas autoridades europeias", afirma Maître Lafforgue.

Contactámos a Bayer e o lobby dos pesticidas, mas nenhum deles nos concedeu uma entrevista.

Dois terços dos europeus contra o glifosato

De acordo com uma sondagem recente, dois terços dos cidadãos europeus são contra o glifosato.

Manifestação contra os pesticidas em Bruxelas (Bélgica)
Manifestação contra os pesticidas em Bruxelas (Bélgica)euronews

Numerosas ONG e centenas de cidadãos manifestam frequentemente nas ruas a sua rejeição dos pesticidas. É o caso de João Camargo, investigador agroindustrial. "Temos de continuar a lutar contra o glifosato, porque a decisão de aprovar e continuar a promover este veneno durante mais dez anos é inaceitável. É uma questão de saúde", afirma.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Primeiro-ministro britânico revela que cancro do rei Carlos III foi "detetado cedo"

Rei Carlos III tem cancro e já está a receber tratamento

Secretário da Defesa dos Estados Unidos internado nos cuidados intensivos