Kuleba: "A fórmula de paz ucraniana é um caminho para o fim da guerra"

Dmytro Kuleba em entrevista à Euronews Sérvia
Dmytro Kuleba em entrevista à Euronews Sérvia Direitos de autor Euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O chefe da diplomacia de Kiev falou à Euronews Sérvia sobre as propostas de paz e o alargamento da UE.

PUBLICIDADE

A Ucrânia espera um novo inverno de guerra, com ataques de drones e mísseis contra as infraestruturas, disse o ministro ucraniano dos Negócios Estrangeiros, Dmytro Kuleba, numa entrevista à Euronews Sérvia. Quanto às negociações de paz, Kuleba propõe uma solução em pequenos passos: "Recomendo que se apoie a fórmula de paz proposta pela Ucrânia como um caminho para acabar com a guerra. Em segundo lugar, devemos concentrar-nos nos problemas específicos criados pela guerra e tentar resolvê-los nas relações com a Rússia", disse o chefe da diplomacia de Kiev.

Nos dias 14 e 15 de dezembro, o Conselho da União Europeia em Bruxelas decidirá sobre o início das negociações de adesão com a Ucrânia e a Moldávia. Quais são as expectativas do chefe da diplomacia da Ucrânia?

"Nós, a Ucrânia e a Sérvia, pertencemos à Europa. Somos ambas nações europeias. Temos os nossos interesses nacionais, mas somos todos europeus. Portanto, trata-se de uma estratégia. Trata-se de expandir as regras europeias, os princípios europeus e o modo de vida europeu ao seu espaço histórico", disse Kuleba.

Nós, a Ucrânia e a Sérvia, pertencemos à Europa.
Dmytro Kuleba
Chefe da diplomacia da Ucrânia

A Ucrânia espera aderir à UE ao mesmo tempo que os outros países candidatos dos Balcãs Ocidentais: "Exortamos a União Europeia a não repetir o erro de prolongar o processo de adesão de todos os países, não só da Ucrânia, mas também de todos os países candidatos, incluindo, evidentemente, os Balcãs Ocidentais: Será justo dizer que foi a Ucrânia que tirou a União Europeia do coma de alargamento. Se olharmos para trás, há dois anos, não havia qualquer discussão séria no seio da União Europeia sobre o alargamento e as conversações de adesão com os Balcãs Ocidentais estavam suspensas", conclui.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Antigo presidente da Ucrânia, Petro Poroshenko, impedido de sair do país

Ucrânia prepara mudanças no sistema de mobilização militar

Revolução "Euromaidan" rebentou na Ucrânia há dez anos: Relatos na primeira pessoa