Paris em segurança máxima na passagem de ano

90 mil polícias e gendarmes estão destacados para reforçar a segurança nesta passagem de ano
90 mil polícias e gendarmes estão destacados para reforçar a segurança nesta passagem de ano Direitos de autor Christophe Ena/AP
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O ministro francês do Interior, Gérald Darmanin, alertou para o perigo de atentados terroristas relacionados com a situação no Médio Oriente.

PUBLICIDADE

Esta passagem de ano, em Paris, vive-se com a segurança reforçada ao máximo, devido à ameaça de um ataque terrorista.

90 mil agentes da polícia estão destacados para reforçar a segurança nos festejos em França, dos quais 6 mil em Paris. O Ministro francês do Interior, Gérald Darmanin, disse que se espera que mais de 1,5 milhões de pessoas participem nas celebrações nos Campos Elísios.

Numa conferência de imprensa, Darmanin referiu uma "ameaça terrorista muito elevada" devido, em parte, "ao que está a acontecer em Israel e na Palestina": referindo-se à guerra entre Israel e o Hamas.

"Solicitei uma mobilização extremamente forte dos serviços de polícia e de gendarmerie num contexto de ameaça terrorista muito elevada devido aos acontecimentos em Israel e na Palestina", disse Darmanin: "Assim, solicitei a mobilização de mais de 90 mil polícias e gendarmes, para além de 5 mil militares da Operação Sentinela e dezenas de milhares de bombeiros, uma vez que a segurança civil será particularmente mobilizada", concluiu.

Darmanin afirmou que, pela primeira vez, a polícia poderá utilizar drones no âmbito do seu trabalho de segurança.

As celebrações da passagem de ano em Paris centrar-se-ão nos Jogos Olímpicos de Paris de 2024, incluindo DJ sets, fogo-de-artifício e projecções de vídeo no Arco do Triunfo.

O desafio da segurança antes dos Jogos Olímpicos foi sublinhado quando um turista foi morto num ataque à faca perto da Torre Eiffel, a 2 de dezembro.

Ataques em grande escala - como o do Bataclan em 2015, quando extremistas islâmicos invadiram a sala de música e dispararam contra as esplanadas dos cafés, matando 130 pessoas - também estão na memória.

O ataque à faca aumentou a preocupação em França e no estrangeiro sobre a segurança dos Jogos que começam a 26 de julho, daqui a pouco menos de sete meses. Mas as autoridades policiais parecem ansiosas por mostrar uma Paris preparada para a segurança.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

"Vamos ter uma onda de terrorismo no mundo", diz perito Claude Moniquet

Ligações ferroviárias Eurostar de volta à normalidade

Mãe e quatro filhos assassinados em França no dia de Natal. Pai é o principal suspeito