Aberta a guerra da informação sobre abate de avião militar russo

Local da queda de um avião militar russo perto de Belgorod, Rússia, 24 de janeiro de 2024
Local da queda de um avião militar russo perto de Belgorod, Rússia, 24 de janeiro de 2024 Direitos de autor AP/Russian Investigative Committee
De  Daniel Bellamy
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A Ucrânia diz que a Rússia não forneceu quaisquer provas para provar a alegação de que a própria Ucrânia abateu um avião russo que transportava prisioneiros de guerra ucranianos.

PUBLICIDADE

O Comité de Investigação da Rússia publicou um vídeo que, segundo afirma, mostra prisioneiros de guerra ucranianos a embarcar no avião que mais tarde se despenhou na região de Belgorod, perto da fronteira ucraniana.

Entretanto, os serviços secretos ucranianos afirmaram que apenas cinco corpos foram levados do local do acidente para uma casa mortuária próxima, pondo em dúvida a afirmação de Moscovo de que havia 65 prisioneiros de guerra a bordo.

A equipa de coordenação ucraniana para o tratamento dos prisioneiros de guerra afirmou que os familiares dos prisioneiros nomeados não conseguiram identificar os seus entes queridos nas fotografias do local do acidente, fornecidas pelas autoridades russas.

A agência ucraniana que trata da troca de prisioneiros disse na sexta-feira que as autoridades russas lhe tinham fornecido "com grande atraso" uma lista dos 65 ucranianos que Moscovo disse terem morrido no acidente de avião na região russa de Belgorod, na quarta-feira.

O pessoal de coordenação ucraniano para o tratamento dos prisioneiros de guerra afirmou que os familiares dos prisioneiros mencionados não conseguiram identificar os seus entes queridos nas fotografias do local do acidente fornecidas pelas autoridades russas. A atualização da agência citou o chefe dos serviços secretos militares da Ucrânia, o tenente-coronel Kyrylo Budanov, dizendo que Kiev não tinha informações verificáveis sobre quem estava no avião.

O Ministério da Defesa russo disse na quarta-feira que os mísseis disparados do outro lado da fronteira derrubaram o avião de transporte que, segundo ele, levava os prisioneiros de guerra de volta à Ucrânia. As autoridades locais de Belgorod, que faz fronteira com a Ucrânia, afirmaram que o acidente matou todas as 74 pessoas a bordo, incluindo seis membros da tripulação e três militares russos.

"Atualmente, não temos provas de que pudesse haver tantas pessoas a bordo do avião. A alegação da propaganda russa de que o avião IL-76 transportava 65 prisioneiros de guerra ucranianos para uma troca de prisioneiros continua a levantar muitas questões", disse Budanov.

Na quarta-feira, os utilizadores das redes sociais da região de Belgorod publicaram um vídeo que mostrava um avião a cair do céu numa zona rural coberta de neve e uma enorme bola de fogo a irromper no local onde aparentemente atingiu o solo.

Kiev não confirmou nem negou que as suas forças tenham abatido um avião de transporte militar russo nesse dia, e a alegação da Rússia de que o acidente matou prisioneiros de guerra ucranianos não pôde ser verificada de forma independente. Na sexta-feira, Mykola Oleshchuk, comandante da força aérea ucraniana, descreveu a afirmação de Moscovo como "propaganda russa desenfreada".

No início da semana, as autoridades ucranianas confirmaram que estava prevista uma troca de prisioneiros na quarta-feira, mas que esta foi cancelada. Moscovo não solicitou que um determinado trecho do espaço aéreo fosse mantido seguro durante um certo período de tempo, como aconteceu com as anteriores trocas de prisioneiros.

Um porta-voz do Comité Internacional da Cruz Vermelha na Ucrânia instou a Rússia, na sexta-feira à noite, a devolver os corpos dos prisioneiros de guerra que possam ter morrido no acidente de avião.

Numa entrevista em direto à Radio Free Europe/Radio Liberty, financiada pelos EUA, o responsável pelas relações com os meios de comunicação social da Cruz Vermelha, Oleksandr Vlasenko, observou que tinha passado "muito pouco tempo" entre os relatos iniciais do acidente e a declaração de Moscovo de que estava pronta a devolver os corpos dos prisioneiros de guerra ucranianos.

Embora a Ucrânia e a Rússia troquem regularmente os corpos dos soldados mortos, cada troca exige uma preparação considerável, disse Vlasenko.

O Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy apelou à realização de uma investigação internacional sobre o acidente, mas a Rússia tem acesso exclusivo ao local do acidente e é pouco provável que autorize a sua realização.

O Presidente Vladimir Putin comprometeu-se na sexta-feira a tornar públicas as conclusões da investigação de Moscovo sobre o acidente. Nas suas primeiras declarações públicas sobre o acidente, Putin repetiu comentários anteriores de funcionários russos de que "tudo estava planeado" para uma troca de prisioneiros no dia em que o avião se despenhou.

"Sabendo que (os prisioneiros de guerra estavam a bordo), atacaram o avião. Não sei se o fizeram de propósito ou por engano, por descuido", disse Putin sobre a Ucrânia num encontro com estudantes em São Petersburgo.

Putin não deu pormenores que sustentassem a alegação de que a culpa era de Kiev, mas disse que a "caixa-negra" que faz o registo de voo do avião tinha sido encontrada.

"Existem caixas negras, tudo será agora recolhido e mostrado", disse Putin.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia e Ucrânia realizam primeira troca de prisioneiros após queda de avião militar russo

Kiev e Budapeste tentam "normalizar relações" antes do conselho europeu de quinta-feira

Ataque ucraniano em Belgorod faz cinco mortos