Finlândia: alegada exclusão de candidato levanta polémica nas eleições

Uma mulher vota numa mesa de voto durante as eleições presidenciais em Helsínquia, Finlândia, no domingo, 28 de janeiro de 2024.
Uma mulher vota numa mesa de voto durante as eleições presidenciais em Helsínquia, Finlândia, no domingo, 28 de janeiro de 2024. Direitos de autor Associated Press
De  David Mac Dougall
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Os dois principais candidatos representam as alas esquerda e direita da política finlandesa, mas o candidato de extrema-direita tem feito progressos nas últimas sondagens.

PUBLICIDADE

A votação começou no domingo de manhã, com os cidadãos a poderem votar num dos nove candidatos que aspiram a ser o 13º Presidente da Finlândia.

votação antecipada começou no início deste mês e a comissão eleitoral do país informa que mais de 1,8 milhões de pessoas, ou seja, 44% dos eleitores elegíveis, fizeram a sua escolha antes da votação principal de domingo.

Os dois principais candidatos, Alex Stubb, do Partido da Coligação Nacional, de direita, e Pekka Haavisto, dos Verdes, têm ambos uma vasta experiência em política externa - uma qualificação importante para o cargo, que é em grande parte cerimonial, mas que mantém uma liderança constitucional em matéria de assuntos externos fora da UE; o titular do cargo é também o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas da Finlândia.

As sondagens recentes colocam Stubb e Haavisto a poucos pontos percentuais de distância um do outro, chegando mesmo a 0,6%. Como nenhum dos candidatos poderá obter mais de 50% na primeira volta, os dois primeiros classificados irão a uma segunda volta em fevereiro.

"Há definitivamente uma sensação de entusiasmo", disse Haavisto, que estava a fazer campanha na região da capital antes do dia das eleições.

O candidato presidencial do Partido dos Verdes, Pekka Haavisto, à direita, tira uma fotografia com Outi Vaajoensuu durante a campanha em Helsínquia
O candidato presidencial do Partido dos Verdes, Pekka Haavisto, à direita, tira uma fotografia com Outi Vaajoensuu durante a campanha em HelsínquiaAP Photo

"Temos andado a percorrer o país e a receção tem sido muito animada. As estações de serviço, os cafés e os clubes têm estado cheios de público. Os finlandeses comuns estão agora a mexer-se. Espera-se uma grande afluência. Algo está a acontecer", disse o candidato à Euronews.

A candidata social-democrata Jutta Urpilainen, comissária europeia da Finlândia, descreveu o ambiente na campanha como "extremamente positivo".

"Durante os últimos dois meses, visitei quase 60 cidades finlandesas e encontrei-me pessoalmente com mais de 5000 finlandeses. Esta semana, começámos finalmente a ver algumas diferenças entre os candidatos, o que eletrizou realmente as eleições", disse à Euronews.

"Muitos eleitores ainda não decidiram e estão ansiosos por conhecer os candidatos, fazer perguntas e saber com base em que valores a Finlândia será conduzida nos próximos seis anos."

A campanha de Alex Stubb não respondeu a um pedido de comentário da Euronews.

O candidato presidencial do Partido Finlandês, Jussi Halla-aho, faz campanha em Narinkkatori, Helsínquia
O candidato presidencial do Partido Finlandês, Jussi Halla-aho, faz campanha em Narinkkatori, HelsínquiaAP Photo

Acusações de "operação de influência híbrida" contra o candidato de extrema-direita

Apesar de um período de campanha geralmente agradável - os candidatos que se declararam cedo apareceram juntos em dezenas de painéis de discussão, debates e aparições nos meios de comunicação social - nos últimos dias têm circulado nas redes sociais alegações de parcialidade e até de uma "operação de influência híbrida".

Alguns apoiantes do Partido Finlandês alegam que existe um esforço coordenado para diminuir a popularidade do seu candidato, Jussi Halla-aho. Segundo eles, o canal público Yle está a suprimir as sondagens que mostram que o candidato está a ganhar apoio.

"Os organismos públicos de radiodifusão não deviam estar a tentar influenciar uma eleição. Na Finlândia, está em curso uma operação híbrida de influência eleitoral, todos os que falaram sobre isto no passado foram rotulados de extrema-direita", escreveu outro. "Porque é que a Yle está a fazer campanha contra o candidato presidencial [Jussi] Halla-aho", perguntou um utilizador das redes sociais. "A Yle pratica uma espécie de influência quase impercetível na opinião", disse outro.

A Euronews constatou que muitas das contas que fazem queixas contra a Yle eram proeminentes na partilha de conteúdos anti-imigração e anti-muçulmanos, e amplificavam mensagens de contas extremistas.

"A Yle não faz campanha contra nem a favor de ninguém", afirmou o diretor executivo da estação pública no início deste mês.

Dimitri Qvintus, funcionário do partido social-democrata e antigo porta-voz de Sanna Marin, afirma que as acusações da "direção do Partido Finlandês de que a Yle estava a esconder sondagens e a 'influenciar as eleições'" deveriam ter sido rapidamente abordadas pelo Governo.

O eurodeputado levanta a questão de saber se a direção do partido de extrema-direita tentaria semear a dúvida sobre o resultado das eleições, caso o seu candidato não passasse à segunda volta.

"Isso enquadrar-se-ia perfeitamente no manual do novo partido finlandês", acrescentou.

PUBLICIDADE
A candidata presidencial do Partido Social-Democrata (SDP), Jutta Urpilainen, antiga ministra das Finanças e Comissária Europeia, faz campanha em Helsínquia
A candidata presidencial do Partido Social-Democrata (SDP), Jutta Urpilainen, antiga ministra das Finanças e Comissária Europeia, faz campanha em HelsínquiaAP Photo

Candidatos condenam alegações

Os candidatos presidenciais de alguns dos maiores partidos políticos finlandeses foram rápidos a condenar as alegações.

"Receio que estejamos a assistir à chegada à Finlândia da tendência internacional de populistas de direita que questionam as eleições para seu próprio benefício", disse Jutta Urpilainen.

"Esta é uma eleição presidencial livre e justa e quaisquer sugestões em contrário são alegações extremamente graves que devem ser apoiadas por provas concretas. Espero que todos os candidatos concordem com isso", disse à Euronews.

"Não houve sinais de interferência externa, apesar das preocupações a esse respeito", disse Pekka Haavisto.

"Estamos a fazer campanha em eleições finlandesas justas. Não vi nada fora do normal em termos de interferência eleitoral, exceto um anúncio falso numa paragem de autocarro para mim e para Jussi Halla-aho", referiu.

PUBLICIDADE

A publicidade falsa foi feita para parecer um cartaz de campanha genuíno, mas com citações falsas atribuídas aos candidatos.

A campanha de Jussi Halla-aho também não respondeu a um pedido de comentário da Euronews.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alexander Stubb eleito presidente da Finlândia

Finlandeses votam em novo presidente que irá orientar a política externa

Contagem decrescente para a segunda volta das presidenciais finlandesas