EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Vários países europeus suspendem financiamento da agência da ONU para refugiados palestinianos

Philippe Lazzarini, UNRWA Palestine
Philippe Lazzarini, UNRWA Palestine Direitos de autor Bilal Hussein/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
Direitos de autor Bilal Hussein/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Reino Unido, Alemanha, Itália, Países Baixos, Suíça e Finlândia juntam-se a Estados Unidos, Austrália e Canadá. Financiamento é congelado até que termine a investigação a trabalhadores da agência suspeitos de ajudar o Hamas no ataque contra Israel.

PUBLICIDADE

Vários países europeus juntaram-se aos Estados Unidos, Austrália e Canadá e suspenderam o financiamento da Agência das Nações Unidas de assistência aos refugiados palestinianos (UNRWA). 

O financiamento fica suspenso - não cancelado - até ao fim da investigação aos trabalhadores da agência suspeitos de terem auxiliado o Hamas na preparação do ataque de 7 de outubro contra Israel.

Os Estados Unidos, principais financiadores da UNRWA, reiteram que não há razões para considerar a UNRWA uma organização terrorista. Ainda assim, Washington admite rever a forma como o dinheiro é atribuído.

O secretário-geral das Nações Unidas pediu aos países que continuem a financiar a principal agência de ajuda em Gaza.

Antonio Guterres advertiu que a agência da ONU para refugiados palestinos, UNRWA, seria forçada a reduzir a ajuda para mais de 2 milhões de palestinos em fevereiro. O enclave costeiro atravessa uma grave crise humanitária, com um quarto da população a enfrentar falta de alimentos.

"Os atos abomináveis destes funcionários devem ter consequências," disse Guterres numa declaração.

"Mas as dezenas de milhares de homens e mulheres que trabalham para a UNRWA, muitos em algumas das situações mais perigosas para os trabalhadores humanitários, não devem ser penalizados. As necessidades terríveis das populações desesperadas que servem devem ser atendidas", acrescentou.

Países europeus suspendem contribuições de financiamento da UNRWA

Alemanha, Itália, Suíça, Finlândia, Grã-Bretanha e Holanda são os últimos países a suspender as suas contribuições de ajuda à UNRWA como resultado da denúncia levantada por Israel.

O chefe da UNRWA, Philippe Lazzarini, disse que rescindiu contratos com "vários" funcionários e ordenou uma investigação depois de Israel ter fornecido informações alegando que eles desempenharam um papel no ataque de outubro.

A UNRWA tem 13.000 funcionários em Gaza, quase todos palestinianos, desde professores em escolas até médicos e outro pessoal auxiliar e trabalhadores humanitários.

Em comunicado, Lazzarini considerou as alegações como "chocantes" e disse que qualquer funcionário "envolvido em atos de terror será responsabilizado, inclusive por meio de processo criminal." Lazzarini não especificou qual foi o suposto papel desses funcionários nos ataques. 

Num ataque surpresa sem precedentes, combatentes do Hamas romperam a cerca de segurança em torno de Gaza e invadiram as comunidades israelitas próximas, matando cerca de 1.200 pessoas, a maioria civis, e sequestrando cerca de 250. 

"A UNRWA reitera a condenação nos termos mais fortes possíveis dos ataques abomináveis de 7 de outubro" e pede a libertação imediata e incondicional de todos os reféns, disse Lazzarini.

Houve algumas críticas ao movimento dos doadores internacionais para suspender o financiamento, incluindo da ex-primeira-ministra da Nova Zelândia e ex-chefe do Programa de Desenvolvimento da ONU, Helen Clark.

PUBLICIDADE

No antigo Twitter ( rede social X), Clark disse que parar os fundos para a UNRWA equivale a uma "punição coletiva" da "população sitiada de Gaza."

Desde o início da guerra, o ataque de Israel matou mais de 26 mil palestinos, a maioria mulheres e crianças, e feriu mais de 64.400 outros, de acordo com o Ministério da Saúde de Gaza.

O ministério não diferencia entre combatentes e civis no número de mortos divulgado.

Mais de 150 funcionários da UNRWA estão entre os mortos - o maior número de mortos em conflito - e vários abrigos da ONU foram atingidos pelos bombardeamentos israelitas.

PUBLICIDADE
Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Agência Humanitária da ONU na Palestina alerta para "ponto de rutura" em todas as atividades

Pelo menos 17 palestinianos mortos num ataque israelita a escola que servia de refúgio

Gaza: pelo menos 71 mortos e mais de 200 feridos num ataque ao campo de al-Mawasi