Dezenas de mortos no Chile devido a incêndios florestais

Um morador foge de um incêndio florestal em Vina del Mar, Chile, sábado, 3 de fevereiro de 2024.
Um morador foge de um incêndio florestal em Vina del Mar, Chile, sábado, 3 de fevereiro de 2024. Direitos de autor Associated Press
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O Presidente Gabriel Boric alertou para o facto de o número de mortos poder vir a agravar-se à medida que quatro grandes incêndios ardem na região de Valparaíso, onde os bombeiros têm tido dificuldade em chegar aos bairros mais ameaçados.

PUBLICIDADE

Pelo menos 46 pessoas morreram e mais de mil casas foram destruídas em incêndios florestais que estão a arder numa zona densamente povoada do centro do Chile, informou o presidente do país no sábado à noite.

Num discurso transmitido pela televisão nacional, o Presidente Gabriel Boric alertou para o facto de o número de mortos poder vir a agravar-se à medida que quatro grandes incêndios ardem na região de Valparaiso, onde os bombeiros têm tido dificuldade em chegar aos bairros mais ameaçados.

Boric pede a chilenos que colaborarem com as equipas de salvamento

"Se vos disserem para evacuar, não hesitem em fazê-lo", disse o presidente. "Os incêndios estão a avançar rapidamente e as condições climáticas tornaram-nos difíceis de controlar. Há temperaturas elevadas, ventos fortes e baixa humidade."

A ministra do Interior, Carolina Tohá, disse no sábado que 92 incêndios florestais estavam a arder no centro e no sul do país, onde as temperaturas têm estado invulgarmente altas esta semana.

Os incêndios mais mortíferos ocorreram na região de Valparaíso, onde as autoridades pediram a milhares de pessoas que evacuassem as suas casas.

Enquanto isso, os moradores de áreas mais distantes dos incêndios foram orientados a ficar em casa para que carros de bombeiros, ambulâncias e outros veículos de emergência possam circular nas estradas com mais facilidade.

Tohá disse que dois incêndios perto das cidades de Quilpué e Villa Alemana queimaram pelo menos 8.000 hectares desde sexta-feira. Um dos incêndios estava a ameaçar a cidade costeira de Viña del Mar, onde alguns bairros já tinham sido fortemente atingidos.

Em Villa Independencia, um bairro numa encosta no extremo leste da cidade, vários quarteirões de casas e empresas foram destruídos. Carros queimados e com os vidros quebrados se alinhavam nas ruas, que estavam cobertas de cinzas.

"Estou aqui há 32 anos e nunca imaginei que isto pudesse acontecer", disse Rolando Fernández, um dos residentes que perdeu a sua casa.

Fernández viu pela primeira vez o fogo a arder numa colina próxima na sexta-feira à tarde e que, em 15 minutos, a área estava envolta em chamas e fumo, obrigando toda a gente a correr para salvar a vida.

"Trabalhei toda a minha vida e agora fiquei sem nada", disse Fernández.

Três abrigos foram montados na região de Valparaíso, e 19 helicópteros e mais de 450 bombeiros foram levados para a área para ajudar a combater as chamas, disse Tohá.

Os incêndios estavam a arder em zona de montanha com difícil acesso, com bairros construídos precariamente na orla de Viña del Mar.

As autoridades relataram cortes de energia em consequência do incêndio, e Tohá disse que na região de Valparaíso, quatro hospitais e três asilos para idosos tiveram de ser evacuados. O fogo também destruiu dois terminais de autocarros, informou o ministro do Interior.

O padrão climático El Niño causou secas e temperaturas mais quentes do que o normal no oeste da América do Sul este ano, aumentando o risco de incêndios florestais. 

Em janeiro, mais de 17.000 hectares de florestas foram destruídos na Colômbia por incêndios que se seguiram a várias semanas de tempo seco.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Inundações em Omã já mataram quatro pessoas

Conduta de central geotérmica engolida pela lava deixa população de Reykjanes sem aquecimento

Vulcão na Islândia volta a entrar em erupção e deixa população sem água quente e aquecimento