Biden insiste que "a memória está boa" quando a investigação de documentos cita a sua "precisão e memória limitadas"

O Presidente Joe Biden discursa na Sala de Receção Diplomática da Casa Branca, quinta-feira, 8 de fevereiro de 2024, em Washington.
O Presidente Joe Biden discursa na Sala de Receção Diplomática da Casa Branca, quinta-feira, 8 de fevereiro de 2024, em Washington. Direitos de autor Evan Vucci/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O presidente dos EUA respondeu às afirmações sobre lapsos de memória, como a sua incapacidade de se lembrar da morte do seu filho Beau.

PUBLICIDADE

Joe Biden reagiu com fúria a uma investigação sobre a forma como guardou e manteve documentos confidenciais, apesar de ter evitado acusações criminais.

O presidente dos EUA começou por manifestar satisfação com a decisão de uma comissão de não o processar judicialmente por ter guardado documentos confidenciais em casa, sublinhando a sua total cooperação e ausência de obstrução à investigação.

No entanto, Biden mostrou-se indignado com a descrição no relatório de alegados múltiplos lapsos de memória, tais como a sua incapacidade de recordar certos acontecimentos significativos, incluindo o seu tempo como vice-presidente e a morte do seu filho Beau.

De facto, o relatório do conselheiro especial Robert K. Hur foi detalhado ao argumentar que o estado cognitivo do presidente de 81 anos tornaria um julgamento doloroso.

"No julgamento, o Sr. Biden apresentar-se-ia provavelmente ao júri, como fez durante a nossa entrevista, como um homem idoso, simpático e bem-intencionado, com uma memória fraca", escreveu Hur.

"Com base nas nossas interações diretas e observações sobre ele, é alguém em relação a quem muitos jurados quererão identificar uma dúvida razoável. Seria difícil convencer um júri a condená-lo - na altura um antigo presidente já com oitenta anos - por um crime grave que requer um estado mental de intencionalidade."

Reação

Em resposta ao relatório, numa corajosa conferência de imprensa na quinta-feira à noite, Biden criticou o advogado por investigar assuntos pessoais como a morte do seu filho, considerando-o inapropriado.

"A minha memória está óptima", afirmou na conferência de imprensa.

O presidente condenou furiosamente a afirmação de Hur de que não se lembrava da data da morte do filho, dizendo: "Como é que ele se atreve a falar nisso?"

Questionado por um repórter da Fox News, sobre se a sua memória era demasiado fraca para continuar a servir, respondeu: "A minha memória é tão má que o deixo falar."

No entanto, o relatório chega num momento crítico para Biden, que já era o candidato mais velho a ser eleito presidente quando venceu as eleições de 2020, aos 78 anos.

Donald Trump and Joe Biden at a presidential debate in 2020.
Donald Trump and Joe Biden at a presidential debate in 2020.Patrick Semansky/Copyright 2020 The AP. All rights reserved.

Recentemente, o chefe da Casa Branca confundiu os nomes de mais de um líder mundial, dizendo que havia discutido o ataque de 6 de janeiro de 2021 ao Capitólio dos EUA com o ex-chanceler alemão Helmut Kohl, que morreu em 2017, e substituindo o nome do presidente francês Emmanuel Macron por François Mitterand, que morreu em 1996.

Depois de muito tempo a tentar minimizar a questão da capacidade cognitiva, a equipa de campanha de Biden aponta cada vez mais para problemas semelhantes enfrentados por Donald Trump, que é apenas quatro anos mais novo do que Biden.

Desde que lançou a sua própria campanha, no final de 2022, o antigo presidente e principal candidato republicano tem dito repetidamente que está a concorrer contra Barack Obama, aludido à eclosão da Segunda Guerra Mundial como um acontecimento futuro e descambado frequentemente em divagações incoerentes durante os seus comentários públicos.

A sua única adversária nas primárias republicanas, Nikki Haley, tem feito da aparente deterioração mental de Trump um tema fundamental da sua campanha. No entanto, o domínio de Trump sobre a base republicana é suficientemente forte para que ela tenha dificuldade em representar uma verdadeira ameaça eleitoral.

Material Ultrassecreto

A total cooperação de Biden com a investigação sobre o manuseamento de documentos, à qual forneceu prontamente os documentos solicitados após a descoberta, contrasta fortemente com o manuseamento de material confidencial por parte de Trump após a sua presidência - e os seus esforços para o esconder dos investigadores federais.

Trump vai ser julgado sob a acusação de ter acumulado um grande número de documentos confidenciais na sua propriedade na Florida, de os ter mostrado a convidados sem autorização de segurança, de ter mentido aos investigadores e de ter obstruído as tentativas do governo para os recuperar.

Trump negou que as suas acções tenham sido inapropriadas, alegando incorretamente que o seu antigo estatuto presidencial lhe permitia desclassificar documentos por decreto, sem dizer a ninguém ou submetê-los a processos formais de desclassificação.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Nova "Guerra das Estrelas": Rússia desenvolve sistema de mísseis nucleares antissatélite

Senado dos EUA aprova pacote de ajuda à Ucrânia

Tribunal nega imunidade presidencial a Donald Trump