Dirigentes da UE estão em Kiev para assinalar dois anos da invasão russa

FILE: Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen em Kiev. Arquivo: 4 de novembro de 2023.
FILE: Presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen em Kiev. Arquivo: 4 de novembro de 2023. Direitos de autor AP Photo
Direitos de autor AP Photo
De  Méabh Mc Mahon in Kyiv, Alice Tidey in Brussels
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

A UE aprovou o 13º pacote de sanções contra a Rússia devido à invasão em grande escala da Ucrânia, visando as empresas estrangeiras que fornecem a Moscovo as tecnologias necessárias. Numa altura em que se assinalam os dois anos da invasão, a Ucrânia precisa de mais ajuda internacional.

PUBLICIDADE

Ursula von der Leyen, Alexander de Croo, da Bélgica, Giorgia Meloni, de Itália e Justin Trudeau, do Canadá, chegaram a Kiev na manhã de sábado, dia em que o país assinala dois anos de guerra com a Rússia.

A chefe da Comissão Europeia afirmou que esta viagem ao país devastado pela guerra, a sua sétima desde que a Rússia fez entrar os seus tanques na Ucrânia, em 24 de fevereiro de 2022, tem como objetivo "celebrar a extraordinária resistência do corajoso povo ucraniano" e dar "apoio moral" aos ucranianos.

Na capital ucraniana, o ambiente era moderado na manhã de sábado, com os habitantes locais a reviverem os horrores desse dia em que o pior cenário se tornou realidade.

"É estranho chamar-lhe um aniversário. Os aniversários são para celebrar algo de bom", disse uma rapariga a Meabh McMahon, da Euronews, esta manhã, em Kiev.

"Há guerra, mas os habitantes locais estão a encontrar formas de lidar com a situação. Toda a gente está afetada, toda a gente perdeu alguma coisa", disse um funcionário ucraniano de Kiev, depois do que descreveu como uma "noite pesada em Kiev".

As pessoas, acrescentou, vão ao cinema na esperança de poderem ver um filme completo e não serem interrompidas por um alarme a avisar da aproximação de ataques russos. As crianças, que muitas vezes não podem ir fisicamente à escola porque a maioria não tem abrigos contra drones e mísseis, brincam nas ruas.

Os habitantes de Kiev parecem estar a viver a sua vida quotidiana no meio das sirenes e dos choques, mas o país tem de lutar contra o cansaço da guerra.

o Primeiro-Ministro da Bélgica, que é Presidente do Conselho da UE, e o Primeiro-Ministro canadiano, Justin Trudeau, 

Os dirigentes da UE levaram várias semanas a aprovar um pacote de apoio à Ucrânia no valor de 50 mil milhões de euros, que lhes permitirá continuar a financiar alguns serviços essenciais durante os próximos quatro anos. As discussões sobre um fundo especial da UE para aumentar o fornecimento de armas à Ucrânia ainda estão, no entanto, a decorrer.

Nos Estados Unidos, um pacote de assistência no valor de cerca de 55 mil milhões de euros continua bloqueado no Congresso, há várias semanas.

Entretanto, no início desta semana, a UE aprovou o seu 13º pacote de sanções contra a Rússia devido à guerra. O novo conjunto de medidas visa as empresas de países terceiros, incluindo a China, a Índia e a Turquia, que permitem à Rússia contornar as sanções ocidentais e obter artigos proibidos.

Os países do G7 - Canadá, França, Alemanha, Itália, Japão, Reino Unido e Estados Unidos - reunir-se-ão virtualmente esta tarde, estando prevista a participação do Presidente ucraniano Volodymyr Zelenskyy.

A reunião do G7 será presidida pela primeira-ministra italiana, Giorgia Meloni, esta tarde por videoconferência.Meloni chegou a Kiev este sábado juntamente com a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen e Alexander De Croo, primeiro-ministro da Bélgica e presidente do Conselho da UE. O primeiro-ministro do Canadá, Justin Trudeau também chegou esta manhã a Kiev. 

Durante o dia, os líderes vão participar numa cerimónia no Aeroporto Internacional Antonov em Hostomel, onde Volodymyr Zelenskyy entregará as honras militares a alguns soldados sobreviventes da Batalha de Hostomel.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Líderes mundiais assinalam dois anos da invasão russa com cimeira do G7 em Kiev

Dois anos após invasão russa, ucranianos enfrentam situação muito difícil no Donbass

Ataques russos na Ucrânia fazem pelo menos oito mortos