Rússia reestrutura distritos militares perante avisos de guerra da NATO

Carros passam por um painel publicitário em São Petersburgo que promove o serviço militar contratado no exército russo.
Carros passam por um painel publicitário em São Petersburgo que promove o serviço militar contratado no exército russo. Direitos de autor AP Photo/Dmitri Lovetsky
De  Oleksandra VakulinaEuronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O Kremlin está aparentemente na fase inicial de uma campanha de informação contra vários Estados da fronteira oriental da NATO.

PUBLICIDADE

O Presidente russo Vladimir Putin assinou dois decretos em 26 de fevereiro que restabelecem oficialmente os Distritos Militares de Moscovo e Leninegrado, codificando os principais esforços para reestruturar e reformar as forças armadas russas.

De acordo com o Instituto para o Estudo da Guerra, ou ISW, a mudança tem dois objetivos paralelos: apoiar o esforço de Moscovo para consolidar o controlo sobre as operações russas na Ucrânia e preparar uma potencial guerra convencional em grande escala contra a NATO num futuro próximo.

A LMD separada passará agora a acompanhar a fronteira nordeste da NATO, enquanto a MMD fará fronteira com o nordeste da Ucrânia e com a Polónia, o que permitirá à Rússia posicionar-se simultaneamente contra a NATO e racionalizar o comando e o controlo para a guerra na Ucrânia.

Até agora, a maior parte deste território estava sob a alçada do Distrito Militar Ocidental, que foi formado em 2010 através da fusão dos dois distritos originais.

"Putin afirmou anteriormente que era necessário criar o LMD depois de a Finlândia aderir à NATO em 2023, assinalando a clara intenção do Kremlin de utilizar o LMD para se posicionar contra a NATO", refere o ISW.

O Serviço de Informações Externas da Estónia avisou que a situação de segurança na Europa e ao longo das fronteiras da Estónia num futuro próximo depende de a Ucrânia, com o apoio dos seus aliados, conseguir derrotar a invasão russa.

De acordo com o grupo de reflexão, o Kremlin iniciou "operações de informação" contra a Moldávia, bem como contra os Estados Bálticos, a Dinamarca e a Finlândia, potencialmente com o objetivo de criar condições semelhantes às que precederam a invasão da Ucrânia.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Conflito com Rússia é "inevitável" se tropas do Ocidente forem para a Ucrânia, avisa Kremlin

Macron diz que envio de tropas ocidentais para o terreno na Ucrânia "não está excluído"

Como a ucraniana Valeriia, de 17 anos, escapou a um campo de reeducação russo