EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ataque aéreo israelita no norte de Gaza mata os três filhos do líder do Hamas

Destruição em Zawaida, no centro da Faixa de Gaza
Destruição em Zawaida, no centro da Faixa de Gaza Direitos de autor Fatima Shbair/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Fatima Shbair/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Os três filhos e os quatro netos de Ismail Haniyeh foram mortos na sequência de um raide aéreo israelita no norte da Faixa de Gaza. Haniyeh acusa Israel de atuar num "espírito de vingança e crime". Acontecimentos ameaçam conversações sobre o cessar-fogo.

PUBLICIDADE

Os três filhos e quatro netos do líder do Hamas, Ismail Haniyeh, foram mortos na sequência de um ataque aéreo israelita no norte da Faixa de Gaza. 

Uma estação de televisão palestiniana transmitiu na quarta-feira imagens de Haniyeh a receber a notícia da morte dos seus filhos durante uma visita a um hospital em Doha.

Enquanto um assessor recebia a notícia no seu telemóvel, Haniyeh acenou com a cabeça, olhou para o chão e saiu lentamente da sala, segundo a Al-Aqsa TV do Hamas.

"O inimigo criminoso é movido pelo espírito de vingança e de crime, e não valoriza quaisquer normas ou leis", afirmou Haniyeh numa entrevista telefónica.

Os filhos de Haniyeh estão entre as figuras mais importantes que foram mortas na guerra até à data. Não ficou imediatamente claro como é que as suas mortes poderão afetar as conversações de cessar-fogo que duram há meses e que estão a ser mediadas a nível internacional.

Haniyeh afirmou que os filhos "foram martirizados no caminho para libertar Jerusalém e a Mesquita de Al-Aqsa".

"O inimigo acredita que, ao atacar as famílias dos líderes, vai forçá-los a desistir das exigências do nosso povo", disse Haniyeh à Al Jazeera.

"Qualquer pessoa que acredite que o ataque aos meus filhos levará o Hamas a mudar a sua posição está a delirar", acrescentou.

Em comunicado publicado na rede social X, as IDF, Forças de Defesa de Israel, confirmaram o ataque a três filhos do líder do Hamas, Ismail Haniyeh.

Ismail Haniyeh vive no exílio no Qatar, onde está sediada a Al Jazeera.

Cessar-fogo pode ficar em risco

As mortes ameaçam as conversações de cessar-fogo mediadas internacionalmente, que parecem ter ganho força nos últimos dias, apesar de as partes continuarem distantes em questões fundamentais.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, foi acusado pelo Hamas de "minar" as negociações de cessar-fogo, após a morte dos familiares do líder do Hamas.

Basem Naim, responsável pelas relações políticas e internacionais do Hamas, acusou Netanyahu de utilizar "instrumentos sujos" ao visar as famílias dos dirigentes do grupo.

"O ataque aéreo ocorre também numa altura delicada em que Israel e o Hamas estão envolvidos em conversações de cessar-fogo. Haniyeh acusa Israel de agir por vingança e diz que o Hamas não será pressionado a fazer concessões nas conversações de cessar-fogo.", salientou Joe Federman, da Associated Press.

Ataque a Zawaida faz 11 mortos

Pelo menos 11 pessoas foram mortas num ataque que atingiu uma casa residencial em Zawaida, no centro de Gaza, na terça-feira à noite, segundo jornalistas da Associated Press.

Os corpos das famílias foram levados para o hospital dos Mártires de Al-Aqsa, em Deir al-Balah.

Um vídeo do rescaldo mostrava que uma casa tinha sido completamente destruída, causando uma pequena cratera no chão entre outros edifícios.

PUBLICIDADE

Abu Mahmoud Abu Btehan, um vizinho, disse que estava a preparar-se para as celebrações do Eid al-Fitr quando foi atingido pelo ataque.

"Ele entrou em casa às nove horas e, sem aviso prévio, foi atingido por mísseis", disse Abu Btehan à AP, acrescentando que os seus filhos, filhas e duas famílias deslocadas que se encontravam na casa também foram mortos nos ataques.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Colonos israelitas queimam aldeia na Cisjordânia. Joe Biden avisa Irão para não “se atrever”

ONU preocupada com distribuição de água em Gaza

Netanyahu insiste na ofensiva terrestre em Rafah: "Há uma data"