EventsEventos
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Arguidos do incêndio de 2018 que matou mais de 100 pessoas na Grécia voltam a julgamento

Incêndio em Mati matou 104 pessoas em julho de 2018
Incêndio em Mati matou 104 pessoas em julho de 2018 Direitos de autor Thanassis Stavrakis/Copyright 2018 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Thanassis Stavrakis/Copyright 2018 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Procuradoria de Recurso de Atenas anulou decisão do tribunal de primeira instância, que apenas condenou 5 dos 20 arguidos.

PUBLICIDADE

Vinte arguidos no caso do incêndio que matou 104 pessoas na vila grega de Mati, em 2018, serão julgados novamente, após uma decisão da Procuradoria de Recurso de Atenas.

Após um veredito controverso em abril, que condenou apenas cinco dos 20 arguidos - todos com responsabilidade nas operações de resgate e extinção do fogo -, a Procuradoria de Recursos de Atenas anulou a condenação e foi interposto um recurso para abrir de novo o julgamento.

Os sobreviventes dos fogos florestais exigem agora que se faça justiça.

"Sabíamos desde o início que o resultado do julgamento seria decepcionante, no entanto, ficamos muito mais decepcionados durante o julgamento porque sentimos que não há justiça", refere Chrysa Gerakaki que reside em Mati e presenciou os fogos em 2018.

Athina Moutafi perdeu um dos filhos em 23 de julho de 2018, ao fim de seis horas no mar, mas conseguiu salvar a filha. Depois de ouvir a decisão de primeira instância seis anos depois, ficou destroçada.

"Foi muito difícil para mim testemunhar. É preciso dizer tudo em detalhe para reviver o momento. Era como se estivesse a lutar pela vida no mar outra vez. A mesma coisa aconteceu com a minha filha. Porque além do meu filho, estava também com a minha filha, que felizmente está viva. Então, também carreguei o fardo emocional de minha filha naquele momento porque eu sabia o quão difícil era", confessa Athina.

Agora, terão de reviver os momentos trágicos mais uma vez no Tribunal de Recurso. Aris Herouvim que perdeu a mãe, a irmã e as sobrinhas gémeas no incêndio também irá passar pelo mesmo.

"Sentimos que a justiça se nega a si própria. O primeiro tribunal não fez algo corretamente e agora dizemos que as coisas não correram bem e começamos do princípio? Mas sim, estou satisfeito porque foi confirmado que algo estava errado com o primeiro julgamento", refere Aris.

Agora é uma corrida contra o tempo para que o segundo julgamento arranque em 2024, porque se até 2026 não houver uma decisão final, ou seja uma decisão do Supremo Tribunal, o procedimento criminal prescreve.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Grécia: proteção civil eleva nível de alerta depois de terem deflagrado 72 incêndios num só dia

As causas dos incêndios catastróficos no nordeste da Grécia

Mati renasce das cinzas dois anos depois da tragédia dos incêndios