EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Israel: aumenta a tensão entre ministro da defesa e Netanyahu

Benny Gantz, ministro da Defesa e chefe do gabinete de guerra de Israel
Benny Gantz, ministro da Defesa e chefe do gabinete de guerra de Israel Direitos de autor Mark Schiefelbein/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Mark Schiefelbein/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

A tensão é grande no governo israelita após o ultimato do ministro responsável pelo gabinete de guerra Benny Gantz a Netanyahu para a operação na Faixa de Gaza. Entretanto, os ataques do exército israelita causaram mais de 80 vítimas. Dois soldados israelitas também morreram no sul de Gaza.

PUBLICIDADE

O exército israelita intensificou os ataques na Faixa de Gaza. Pelo menos 20 pessoas morreram no sábado após uma operação no campo de refugiados de Nuseirat e outras nove em ataques na cidade de Gaza. As vítimas juntam-se às 64 registadas na sexta-feira devido aos bombardeamentos israelitas em toda a Faixa, incluindo 28 mortos num ataque a um bloco residencial perto do hospital Kamal Adwan e outros oito quando faziam fila para obter água em al-Faluja.

Dois soldados israelitas mortos, corpo de um quarto refém recuperado

Também foram registadas baixas do lado israelita. O porta-voz do exército, Daniel Hagari, anunciou que dois soldados de 20 anos da Brigada de Infantaria Givanti foram mortos e três outros ficaram gravemente feridos durante os combates em curso no sul de Gaza. Algumas horas antes, Hagari tinha também anunciado no antigo Twitter (X) que o corpo de um quarto refém israelita tinha sido encontrado em Gaza, na sequência do anúncio de sexta-feira de que as IDF tinham recuperado os corpos de três reféns de Gaza. Hagari identificou os quatro reféns como Shani Louk, Amit Buskila e Itzhak Gelerenter, e Ron Binyamin, todos eles alegadamente mortos por militantes do Hamas no festival de música de 7 de outubro e cujos corpos foram levados para Gaza.

Tensão entre Gantz e Netanyahu

O prolongamento da operação no sul da Faixa de Gaza está a causar grande tensão no governo israelita. O ministro da Defesa e responsável pelo Gabinete de Guerra, Benny Gantz, lançou um ultimato ao primeiro-ministro Benjamin Netanyahu no sábado à noite, pedindo-lhe que se comprometa com uma visão para o pós-conflito de Gaza, que inclua a definição de quem poderá governar o território após a derrota do Hamas, e avisando que abandonará a coligação a 8 de junho se tal não acontecer.

Numa declaração que provocou a rápida indignação de outros membros do governo, Gantz afirmou que a guerra desencadeada pelo massacre de 7 de outubro, liderado pelo Hamas, se tinha desviado nos últimos meses devido à cobardia de alguns dirigentes israelitas.

"Enquanto os soldados israelitas demonstram uma coragem incrível na linha da frente, algumas das pessoas que os enviaram para a batalha estão a agir com cobardia e falta de responsabilidade", disse Gantz. Pouco depois veio a resposta do gabinete de Netanyahu, que acusou o seu aliado de governo de "fazer um ultimato ao primeiro-ministro em vez de fazer um ultimato ao Hamas". Segundo Netanyahu, as exigências de Gantz significariam "o fim da guerra e a derrota de Israel, o abandono da maioria dos reféns, a manutenção do Hamas no poder e a criação de um Estado palestiniano".

"Netanyahu opõe-se a levar a Autoridade Palestiniana para Gaza e a criar um Estado palestiniano que será inevitavelmente um Estado de terror", escreveu o gabinete do primeiro-ministro, acrescentando:"Ele também acredita que o governo de unidade é crucial para alcançar os objectivos da guerra e espera que Gantz esclareça as suas posições sobre estas questões ao público".

"Se o primeiro-ministro tivesse dado ouvidos a Gantz, teríamos ido a Rafah há meses e terminado a missão. Temos de a terminar e de criar as condições necessárias para o fazer", respondeu o gabinete de Gantz.

Protestos em Telavive: manifestantes detidos

Protestos em Telavive
Protestos em TelaviveLeo Correa/Copyright 2024 The AP All rights reserved

A tensão no país foi também registada quando milhares de pessoas se reuniram em Telavive, no sábado à noite, exigindo novas eleições e a demissão do primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu. Com cartazes e gritando palavras de ordem, os manifestantes exigiram também a libertação das dezenas de reféns ainda detidos em Gaza.

Muitos israelitas, angustiados com os reféns e acusados por Netanyahu de colocar os interesses políticos acima de tudo, querem um acordo para pôr fim aos combates e libertá-los. A polícia interveio, afastando os manifestantes com canhões de água, tendo alguns sido detidos.

Sullivan encontra-se com Mohammed bin Salman: a solução dos dois Estados está em cima da mesa

Entretanto, prosseguem as discussões a nível internacional para pôr termo à guerra em Gaza. Após o anúncio do reconhecimento do Estado Palestiniano pelo primeiro-ministro espanhol Pedro Sánchez. O conselheiro de segurança nacional dos EUA, Jake Sullivan, encontrou-se com o príncipe herdeiro saudita Mohammed bin Salman na cidade de Dhahran, no leste da Arábia Saudita. De acordo com os meios de comunicação social sauditas, os dois lados também discutiram "o que está a ser trabalhado entre os dois lados sobre a questão palestiniana, a fim de encontrar um caminho credível para uma solução de dois Estados".

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

IDF dizem ter recuperado corpos de três reféns israelitas

Netanyahu acredita que será possível ultrapassar "desacordos" com Biden

Benny Gantz reclama vitória nas legislativas, Benjamin Netanyahu também