EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Na Hungria, uma nova oposição liderada por Péter Magyar desafia Viktor Orbán

Na Hungria, uma nova oposição liderada por Péter Magyar desafia Viktor Orbán
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Nos últimos meses, um antigo dirigente do Fidesz mobiliza uma parte da população húngara desiludida com o atual regime.

PUBLICIDADE

Péter Magyar começou a dar que falar na sequência de um escândalo relacionado com um perdão presidencial num caso de pedofilia. 

Nessa altura, demitiu-se do cargo de administrador público e abandonou o partido Fidesz, que descreveu como autoritário e corrupto. 

Desde então, Magyar fez uma série de revelações sobre o partido. A cada novo comício a sua fama aumentava. 

Em abril, reuniu quase 100 mil pessoas nas ruas de Budapeste.

Será um desafio para Magyar manter a popularidade.
O Fidesz vai fazer tudo para o desacreditar nas redes sociais.
Melani Barlai, cientista política húngara

O rosto de uma oposição política para além das clivagens

Magyar assume-se como o rosto de uma oposição política dinâmica que rejeita a divisão esquerda-direita.

Apesar de não dar grandes detalhes sobre o seu programa político, Magyar suscita entusiamo. 

De acordo com as sondagens, o seu novo partido Tisza (que significa respeito e liberdade), poderá obter entre 17 e 25% das intenções de voto nas eleições europeias.

"O que se passa hoje é demais para o povo húngaro... É demasiado para todo o país, do ponto de vista económico, político, jurídico e ético. É demasiado...", declarou Magyar em Debrecen, um bastião do Fidesz, onde reuniu vários milhares de pessoas.

Um futuro incerto para o Fidesz

As eleições europeias parecem ser apenas uma primeira etapa do processo de ascenção de Magyar que já está a pensar nas eleições legislativas de abril de 2026. 

Mas a montanha do Fidesz parece intransponível. 

A máquina política criada por Orbán foi concebida para favorecer o seu partido nas eleições. 

O Fidesz introduziu numerosas reformas que enfraquecem o Estado de direito no país, medidas que levaram a várias advertências da União Europeia e até ao congelamento parcial dos fundos europeus.

"Será um desafio para Magyar manter a popularidade ao longo do tempo. O Fidesz vai fazer tudo para o desacreditar nas redes sociais. E o Fidesz tem recursos ilimitados para o fazer", considera Melani Barlai, politóloga e cofundadora da Unhack Democracy, uma ONG que monitoriza os processos eleitorais na Europa.

As eleições europeias decorrem a 9 de junho. Os eleitores vão escolher os 21 eurodeputados húngaros que terão assento no Parlamento Europeu. 

No mesmo dia, decorrem também as eleições autárquicas na Hungria, um primeiro passo a nível nacional neste novo contexto de oposição.

clique no vídeo acima para ver a reportagem completa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Civis da Estónia treinam guerra de trincheiras com soldados franceses da NATO

Polónia quer estar pronta caso haja um ataque da Rússia e pede à UE para dar mais armas à Ucrânia

Novo governo polaco traz esperança à comunidade LGBT