EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

O que está por trás da viragem dos Países Baixos para a extrema-direita?

O que está por trás da viragem dos Países Baixos para a extrema-direita?
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Valérie Gauriat
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Geert Wilders, líder do Partido da Liberdade, ficou em primeiro lugar nas eleições legislativas de novembro passado, com 23% dos votos.

PUBLICIDADE

O defensor da preferência nacional ganhou um apoio sem precedentes num clima de profunda crise económica e social.

Nesta edição de Witness vamos até Roterdão, a segunda maior cidade dos Países Baixos, e uma das cidades onde o líder populista obteve um apoio elevado.

"Tudo se torna cada vez mais caro. Tudo nos é realmente retirado. E as pessoas têm medo", afirmou a dona de uma loja de roupa de Roterdão.

"Queremos ouvir falar de outra coisa que não seja a pobreza e os cortes orçamentais. Se ele acha que pode corrigir as coisas, por mim tudo bem", acrescentou Rashma que afirma ter cada vez menos clientes.

A inflação, especialmente no que diz respeito aos preços dos alimentos e da energia, está a atingir duramente o país.

"A pobreza é realmente um problema crescente, mesmo entre os trabalhadores", diz John, cuja pequena instituição de caridade recolhe alimentos e bens de primeira necessidade que entrega a famílias desfavorecidas de um bairro da classe trabalhadora de Roterdão.

Caroline, uma das suas beneficiárias e mãe solteira de quatro filhos, diz que não conseguiria sobreviver sem a sua ajuda. Caroline conta com Geert Wilders para tirar o país da recessão e considera que a sua posição anti-imigração é parte da solução.

"Ele vai mudar muita coisa. O país já está cheio. Os holandeses querem ajudar toda a gente, mas, primeiro, têm de ajudar o seu próprio país. Este país é só miséria!", frisou Caroline.

Um governo de coligação

Sem maioria parlamentar, Geert Wilders tem ainda de obter o apoio de outros partidos para formar um governo de coligação.

Conhecido pela sua retórica anti-imigração, islamofóbica, eurocética e cética em relação ao clima, teve de suavizar a sua narrativa e abandonar os planos para proibir as mesquitas, o Corão, as escolas islâmicas e o uso da burca e do niqab nos Países Baixos.

Mas isso não é suficiente para tranquilizar a comunidade muçulmana, de acordo com o imã da mesquita Essalam, em Roterdão, uma das maiores da Europa.

"Desde as eleições, a violência, a discriminação e a exclusão dos muçulmanos nos Países Baixos aumentaram drasticamente", afirma o imã. "Agora vemos pessoas que se interrogam se ainda são bem-vindas aqui e pensam em deixar o país, para países onde os seus filhos possam crescer num ambiente saudável".

Clique no vídeo acima para ver a reportagem completa.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Apesar de proibido, grupo de extrema-direita promete realizar protesto em Lisboa

De vizinho para vizinho: uma viagem ao sistema holandês de cuidados para idosos

Holanda: Três culpados pelo envolvimento no homicídio do jornalista Peter R. de Vries