Partido da extrema-direita inicia contactos para coligações governamentais nos Países Baixos

Geert Wilders a ser saudado após a vitória eleitoral
Geert Wilders a ser saudado após a vitória eleitoral Direitos de autor Peter Dejong/Copyright 2023 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O PVV, partido do primeiro-ministro cessante, Mark Rutte, disse que apoiaria uma administração de centro-direita no parlamento, mas não se juntaria ao próximo governo.

PUBLICIDADE

Após o triunfo nas eleições nos Países Baixos, o Partido da Liberdade (PVV) iniciou conversações com outros partidos sobre a formação de uma coligação governamental.

Mas, logo à partida, o líder, Gert Wilders, mostrou-se dececionado com a recusa do centro-direita de se juntar ao governo.

“A minha sensação depois das eleições é que, com tantos assentos, 37 assentos, a responsabilidade é grande. E quando se vê que outro partido (VVD) também perdeu alguma coisa, não quer assumir essa responsabilidade... Isso é permitido, mas acho muito dececionante, porque torna mais difícil para outras partes resolverem esses problemas nos Países Baixos e cumprirem essa responsabilidade", afirmou.

Um senador do Partido da Liberdade (PVV) foi nomeado esta sexta-feira para investigar possíveis coligações de governo após a vitória eleitoral do partido de extrema direita, mas o partido do primeiro-ministro cessante, Mark Rutte, disse que apoiaria uma administração de centro-direita no parlamento, mas não se juntaria ao próximo governo.

A declaração foi feita pela nova líder do Partido Popular para a Liberdade e a Democracia, Dilan Yesilgöz, no X, antigo Twitter, nestes termos: "Com a perda de dez assentos, o eleitor deu um sinal claro ao VVD (...) Contudo, não fugimos da nossa responsabilidade. Portanto, permitiremos e apoiaremos construtivamente um gabinete de centro-direita com boas medidas. A Câmara é agora o local onde o VVD pode fazer isso".

O Partido para a Liberdade, ou PVV, liderado pelo veterano deputado, Geert Wilders, conquistou 37 assentos na câmara baixa de 150 assentos, indicando uma crise sísmica  para os Países Baixos. 

O Partido Popular para a Liberdade e a Democracia, de Rutte, conseguiu 24 assentos parlamentares, 10 a menos do que nas eleições anteriores.

Após uma reunião de líderes partidários no parlamento, o senador do VVD, Gom van Strien, foi nomeado para investigar hipóteses de coligações. Os deputados recém-eleitos debaterão as conclusões a 6 de dezembro.

O resultado da eleição e a nomeação de Van Strien abrem o caminho para Wilders assumir a liderança na formação de uma nova coaligação e potencialmente suceder a Rutte como primeiro-ministro. No entanto, ele provavelmente terá de convencer potenciais parceiros da coligação de que suavizaria algumas das suas políticas anti-Islão.

A plataforma eleitoral do seu partido afirma que os Países Baixos “não são um país islâmico. Nada de escolas islâmicas, Alcorões e mesquitas.”

Um potencial parceiro de coligação para Wilders é o recentemente formado partido Novo Contrato Social, ou NSC, que conquistou 20 assentos. Pieter Omtzigt, disse, no entanto, que não poderia aceitar políticas “inconstitucionais”.

O artigo 1.º da Constituição dos Países Baixos proíbe a discriminação “em razão da religião, crença, opinião política, raça, género, deficiência, orientação sexual ou por quaisquer outros motivos”.

Num discurso de vitória na noite das eleições, Wilders prometeu não promover quaisquer políticas que violassem a lei neerlandesa ou a constituição.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Cinco coisas que aprendemos com as eleições nos Países Baixos

Extrema-direita prepara-se para tentar formar governo nos Países Baixos

Extrema-direita vence legislativas nos Países Baixos