Cinco coisas que aprendemos com as eleições nos Países Baixos

ARQUIVO: Nesta foto de arquivo de 23 de novembro de 2016, o legislador populista anti-islâmico Geert Wilders prepara-se para se dirigir aos juízes no seu julgamento por discurso de ódio
ARQUIVO: Nesta foto de arquivo de 23 de novembro de 2016, o legislador populista anti-islâmico Geert Wilders prepara-se para se dirigir aos juízes no seu julgamento por discurso de ódio Direitos de autor AP Photo
De  Euronews com AP, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Esta foi a maior vitória na história do partido de extrema-direita liderado pelo controverso político anti-islâmico Geert Wilders.

1. A vitória do PVV é grande e sem precedentes

PUBLICIDADE

A dimensão da vitória do partido PVV, de Geert Wilders, foi muito superior ao que as sondagens previam e duplicou o número de lugares que conquistou no parlamento nas últimas eleições.

Não só é o melhor resultado eleitoral de sempre do PVV, como é também a primeira vez desde a Segunda Guerra Mundial que o maior partido dos Países Baixos não pertence à família dos partidos europeus liberais de centro-direita ou de centro-esquerda.

Como é que Wilders conseguiu? Parece que mobilizou os seus eleitores de 2021 para irem novamente às urnas, mas também parece ter conquistado as pessoas que se abstiveram em 2021, bem como reunido o apoio de simpatizantes de outros partidos de direita.

2. Geert Wilders ainda precisa de construir uma coligação

O político anti-islâmico de extrema-direita Geert Wilders pode ter duplicado os lugares do seu partido no parlamento neerlandês nas eleições de quarta-feira, mas isso não significa necessariamente que venha a ser primeiro-ministro.

Wilders terá de formar uma coligação com outros partidos para alcançar uma maioria no parlamento (ou tentar governar com uma minoria) e, em política, isso implica sempre compromissos para poderem trabalhar em conjunto.

O líder do partido Novo Contrato Social, que só foi lançado há três meses, disse que estaria aberto a conversações com Wilders. O partido obteve cerca de 20 lugares nas eleições.

A coligação de centro-esquerda entre o Partido Trabalhista e o Partido Verde deverá obter 26 lugares, mas o líder Frans Timmermans já excluiu a possibilidade de trabalhar com Wilders.

"Nunca formaremos uma coligação com partidos que fingem que os requerentes de asilo são a fonte de toda a miséria", disse Timmermans.

FILE: Populist Dutch anti-immigration lawmaker Geert Wilders in parliament, The Hague, September 2023
FILE: Populist Dutch anti-immigration lawmaker Geert Wilders in parliament, The Hague, September 2023AP Photo

3. Informadores e modeladores - A política neerlandesa é complicada!

O processo de formação de um novo governo começa quando todos os partidos têm discussões preliminares para explorar que combinação de partidos poderá ser capaz de trabalhar em conjunto para atingir o limiar da maioria de 76 lugares no parlamento (o total é de 150 deputados).

A câmara baixa nomeia então um "informador", que é responsável por definir os possíveis contornos de um acordo de coligação. Até 2012, esta pessoa era nomeada pelo Rei.

Quando parece que um grupo de partidos pode trabalhar em conjunto, é nomeado um "shaper" - quase sempre a pessoa que ganhou as eleições, que inicia o delicado trabalho de reunir um potencial gabinete.

Em seguida, os partidos assinam um acordo de coligação e o novo governo apresenta os seus planos à câmara baixa, que tem de os votar num voto de confiança.

4. É provável que a formação de um novo governo demore muito tempo

O processo parece único e as conversações sobre a coligação serão difíceis. Portanto, quanto tempo é que tudo isto pode demorar?

A resposta é: Muito tempo.

Os partidos neerlandeses normalmente lutam durante meses para incluir o maior número possível de pontos dos seus programas no acordo de coligação, mesmo antes do início da corrida para o cargo.

Após as eleições de 2021, foram necessários 271 dias, um recorde, para criar a coligação que seria a última do primeiro-ministro cessante Mark Rutte.

Desta vez, poderá demorar ainda mais tempo, uma vez que a maioria dos analistas não espera que seja formado um governo antes do verão de 2024.

Entretanto, Mark Rutte e o seu governo continuarão no poder.

PUBLICIDADE
FILE: Dutch far-right leader Geert Wilders, left, and Belgian anti-immigrant politician Filip Dewinter talking at Dutch Parliament, November 2017
FILE: Dutch far-right leader Geert Wilders, left, and Belgian anti-immigrant politician Filip Dewinter talking at Dutch Parliament, November 2017Geert Vanden Wijngaert/AP

5. Nexit: Geert Wilders quer um referendo para sair da UE

Embora forjar alianças e trabalhar em conjunto num governo de coligação exija compromissos, Geert Wilders tem alguns planos políticos que vão causar arrepios em toda a Europa e, em particular, em Bruxelas.

Apesar de (até agora) não haver nos Países Baixos uma vontade especial de sair da UE, Wilders diz que quer fazer um referendo "Nexit".

Entre outras políticas polémicas, quer também um "fim do asilo" e "nada de escolas islâmicas, Alcorões e mesquitas", embora se tenha comprometido, na quarta-feira à noite, a não violar as leis holandesas nem a Constituição do país, que consagra a liberdade de religião e de expressão.

Geert Wilders é também um firme apoiante de Israel e defende a transferência da embaixada dos Países Baixos de Telavive para Jerusalém e o encerramento do posto diplomático neerlandês em Ramallah, sede da Autoridade Palestiniana.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O que está por trás da viragem dos Países Baixos para a extrema-direita?

Partido da extrema-direita inicia contactos para coligações governamentais nos Países Baixos

O fenómeno "Novo Contrato Social" nos Países Baixos