EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Lituanos voltam às urnas para a segunda volta das eleições presidenciais

O Presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda, candidato presidencial, prepara-se para votar numa mesa de voto durante as eleições presidenciais antecipadas
O Presidente da Lituânia, Gitanas Nauseda, candidato presidencial, prepara-se para votar numa mesa de voto durante as eleições presidenciais antecipadas Direitos de autor Mindaugas Kulbis/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
Direitos de autor Mindaugas Kulbis/Copyright 2024 The AP. All rights reserved.
De  Daniel Harper
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

O Presidente da Lituânia é responsável pela política externa e de defesa do país, tarefas fundamentais tendo em conta a sua posição no flanco oriental da NATO.

PUBLICIDADE

Os lituanos foram às urnas no domingo para a segunda volta das eleições presidenciais do país, com o atual presidente Gitanas Nausėda a tentar derrotar a primeira-ministra Ingrida Šimonytė para mais um mandato de cinco anos.

Nausėda, de 60 anos, um conservador moderado e forte apoiante da Ucrânia, está no cargo desde 2019 e é visto como favorito para vencer.

As assembleias de voto abriram às 7h, com os primeiros eleitores em Vilnius a chegarem ainda antes do início oficial. Cerca de dois milhões de cidadãos estão aptos a votar nesta oitava eleição presidencial desde a independência da Lituânia da União Soviética em 1991.

A votação prolonga-se até às 20 horas e os resultados deverão ser anunciados na segunda-feira pela Comissão Eleitoral Central (CEC).

Nausėda e Šimonytė, ambos críticos da Rússia e da Bielorrússia, não conseguiram obter a maioria na primeira volta, a 12 de maio. Nausėda liderou com 44% dos votos, enquanto Šimonytė obteve quase 20%.

Esta segunda volta espelha a eleição de 2019, onde Nausėda derrotou Šimonytė com 66% dos votos.

Possível sabotagem russa

A eleição ocorre entre tensões elevadas na região do Báltico.

Esta semana, surgiram notícias que sugeriam que a Rússia poderia rever as fronteiras das suas águas territoriais no Mar Báltico, o que levou o ministro dos Negócios Estrangeiros da Lituânia a apelar a uma "resposta firme" ao que chamou de "escalada óbvia".

As preocupações com a sabotagem russa aumentam à medida que surgem pormenores sobre misteriosos ataques a instalações lituanas e polacas.

As forças policiais lituanas mantêm-se caladas, mas antigos funcionários alertam para o facto de tais incidentes poderem aumentar como parte da estratégia mais ampla da Rússia na sua guerra com a Ucrânia.

No início deste mês, um incêndio numa loja IKEA em Vilnius foi confirmado como sabotagem.

O primeiro-ministro polaco, Donald Tusk, afirmou que uma série de ataques incendiários na Polónia e na Lituânia foram orquestrados pela Rússia.

A Lituânia, membro da NATO, desempenha um papel estratégico no flanco oriental da aliança, o que torna o papel presidencial particularmente significativo, dado o conflito em curso na Ucrânia.

Ambos os candidatos mantiveram posições fortes contra a agressão de Moscovo, alinhando com as prioridades da política externa do país.

Enquanto os lituanos aguardam os resultados, o resultado das eleições será acompanhado de perto, dadas as implicações geopolíticas mais vastas para a região.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Rússia pode rever águas territoriais no Báltico

Eleições presidenciais vão ter segunda volta na Lituânia mas Nauseda deve conseguir segundo mandato

Lituânia culpa Rússia pelo ataque ao aliado de Navalny em Vilnius