EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Ucrânia afirma ter atingido pela primeira vez um avião de combate russo Su-57

ARQUIVO - Nesta foto de arquivo tirada na quarta-feira, 9 de maio de 2018, um jato Sukhoi Su-57 da Força Aérea Russa sobrevoa a Praça Vermelha
ARQUIVO - Nesta foto de arquivo tirada na quarta-feira, 9 de maio de 2018, um jato Sukhoi Su-57 da Força Aérea Russa sobrevoa a Praça Vermelha Direitos de autor Alexander Zemlianichenko/AP
Direitos de autor Alexander Zemlianichenko/AP
De  Daniel Bellamy com AP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied
Artigo publicado originalmente em inglês

A Ucrânia afirmou que as suas forças atingiram um avião de guerra russo ultra-moderno que estava numa base aérea a cerca de 600 quilómetros das linhas da frente.

PUBLICIDADE

As alegações surgem depois dos aliados ocidentais terem autorizado Kiev a utilizar as suas armas para ataques limitados no interior da Rússia.

O principal serviço de informações militares de Kiev partilhou fotografias de satélite que mostram o rescaldo do ataque. A confirmar-se, este seria o primeiro ataque bem-sucedido da Ucrânia a um avião de combate Su-57, um caça stealth (invisível ao radar) bimotor considerado o avião militar mais avançado de Moscovo.

Numa das fotografias, podem ver-se marcas negras de fuligem e pequenas crateras que pontilham uma faixa de betão à volta do avião estacionado. De acordo com a Direção Principal de Informações do Ministério da Defesa da Ucrânia, o ataque teve lugar no sábado na base de Akhtubinsk, no sul da Rússia, a cerca de 589 quilómetros (366 milhas) da linha da frente.

Não ficou imediatamente claro que armas foram utilizadas, mas a distância do aeródromo da Ucrânia sugere que foi provavelmente atingido por drones.

O ataque surge depois dos Estados Unidos e a Alemanha terem recentemente autorizado a Ucrânia a atingir alguns alvos em solo russo com as armas de longo alcance que estão a fornecer a Kiev. A Ucrânia já utilizou armas americanas para atacar dentro da Rússia, ao abrigo de orientações recentemente aprovadas pelo presidente Joe Biden, que permitem que as armas americanas sejam utilizadas com o objetivo limitado de defender Kharkiv, a segunda maior cidade da Ucrânia.

A agência ucraniana afirmou que o avião, capaz de transportar mísseis furtivos ao longo de centenas de quilómetros, se encontrava entre "um número considerável" de outros do mesmo género no arsenal de Moscovo. De acordo com informações das agências russas, as forças armadas de Moscovo obtiveram "mais de 10" novos Su-57 no ano passado, enquanto 76 deverão ser produzidos até 2028.

Moscovo não comentou imediatamente os relatórios. No sábado, o Ministério da Defesa russo afirmou que as suas forças derrubaram três drones ucranianos na região de Astrakhan, onde se situa a pista de aterragem de Akhtubinsk.

Desde a invasão total de Moscovo, há mais de dois anos, Kiev aumentou a produção doméstica de drones e utilizou-os para atacar o interior da Rússia, incluindo um terminal de gás perto de São Petersburgo, que fica a mais de mil quilómetros a norte da fronteira ucraniana.

Noutros locais, as forças ucranianas mantiveram os ataques com drones nas regiões fronteiriças do sul da Rússia, de acordo com funcionários russos locais.

Três drones atingiram a província de Belgorod no final do sábado, danificando uma linha eléctrica e rebentando janelas, mas sem causar vítimas, disse o governador Vyacheslav Gladkov. O Ministério da Defesa russo disse que outro drone foi abatido sobre a região vizinha de Bryansk.

Em todas as províncias ucranianas da linha da frente, os bombardeamentos russos mataram pelo menos três civis e feriram pelo menos nove outros no sábado e durante a noite, de acordo com informações de responsáveis regionais. Um homem morreu e duas mulheres ficaram feridas na aldeia de Khotimla, na região de Kharkiv, no nordeste da Ucrânia, onde os bombardeamentos danificaram a escola local, um edifício da câmara municipal e uma loja, informou o governador Oleh Syniehubov.

As tropas ucranianas continuam a travar combates intensos na região, enquanto tentam repelir as forças invasoras russas, após uma investida de Moscovo que durou semanas e que provocou receios em Kharkiv e uma vaga de evacuações de civis.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos seis feridos em ataque aéreo russo a zona residencial de Kostiantynivka

Pelo menos seis feridos após ataque aéreo russo em zona residencial de Kharkiv

Instrutores franceses na Ucrânia são "alvo legítimo" da Rússia, diz Lavrov