EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Israel ordena evacuação de Gaza para realizar "operação antiterrorista"

Desde o início da guerra, a ofensiva aérea e terrestre israelita já matou mais de 38.000 pessoas em Gaza.
Desde o início da guerra, a ofensiva aérea e terrestre israelita já matou mais de 38.000 pessoas em Gaza. Direitos de autor  vcxc
Direitos de autor  vcxc
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Israel afirma conhecer a localização das infra-estruturas, dos operacionais, das armas e das salas de detenção do Hamas e da Jihad Islâmica na sede da UNRWA na cidade de Gaza.

PUBLICIDADE

Israel emitiu uma ordem de evacuação para a cidade de Gaza, uma área que já enfrentou uma destruição generalizada desde o início da guerra devastadora no enclave palestiniano.

No fim de semana, habitantes da cidade demolida foram vistos a abandonar a zona. Alguns empurravam idosos e feridos em cadeiras de rodas, enquanto outros carregavam crianças aos ombros.

A ordem de retirada pode indicar um aumento da ação militar israelita na cidade de Gaza. Os residentes relataram intensos bombardeamentos nas zonas oriental e meridional.

O Hamas já terá abandonado a exigência para que Israel acabe com a guerra (de forma permanente) como parte de qualquer acordo de cessar-fogo.

A mudança repentina suscitounovas esperançasno progresso das negociações internacionais.

Até agora, o Hamas tem exigido que as tropas israelitas abandonem totalmente a Faixa de Gaza e que a guerra termine, enquanto Israel insiste que não pode nem quer parar a guerra antes de o grupo militante palestiniano ser eliminado. A governação pós-guerra e o controlo da segurança do enclave também têm sido questões controversas.

O primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, afirmou no domingo que a pressão militar - incluindo a atual ofensiva de dois meses de Israel na cidade de Rafah, no sul de Gaza - "foi o que levou o Hamas a entrar em negociações".

O gabinete de Netanyahu disse que uma equipa de negociadores israelitas vai retomar esta semana as conversações sobre um cessar-fogo com o Hamas. Isto pode indicar um  progresso em direção a um acordo para acabar com a guerra em Gaza. No entanto, reconheceu que continuam a existir "lacunas entre as partes".

A guerra em Gaza, começou após o ataque do Hamas de 7 de outubro de 2023, em que os militantes mataram cerca de 1200 pessoas no sul de Israel - na sua maioria civis - e raptaram cerca de 250.

Desde então, as ofensivas terrestres e os bombardeamentos israelitas mataram mais de 38.000 pessoas em Gaza, segundo o Ministério da Saúde do território, que não distingue entre combatentes e civis na sua contagem.

A ação militar causou também devastação generalizada e uma crise humanitária que deixou centenas de milhares de pessoas sem abrigo, sem cuidados médicos adequados e à beira da fome, segundo as autoridades internacionais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Pelo menos 16 mortos num ataque israelita a uma escola gerida pela ONU em Gaza

Novo ataque israelita em Khan Younis faz pelo menos sete mortos

Cerca de 250 mil civis obrigados a deixar Khan Younis após nova ordem de evacuação de Israel