Novo patrão da Volkswagen em maus lençóis

Novo patrão da Volkswagen em maus lençóis
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira com Reuters
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Matthias Müller presidiu à Porsche antes de comandar os destinos da Volkswagen.

PUBLICIDADE

As novas revelações sobre o escândalo Volkswagen deixam o novo patrão em muito maus lençóis.

A agência norte-americana de proteção do ambiente, EPA, disse que a fraude nas emissões de partículas afeta também os motores de alta cilindrada, incluindo de vários modelos das marcas topo de gama do grupo, Audi e Porsche, o que significa que as dores de cabeça da construtora alemã estão longe de estar terminadas.

“Se a Volkswagen tiver já posto todas as cartas em cima da mesa e disser que não há mais modelos afetados, então está tudo bem. Mas se a EPA diz que até as marcas premium como a Audi e a Porsche foram afetadas, isso signigica que há ainda muito por fazer em termos de gestão da crise”, diz o analista Juergen Pieper.

Matthias Müller é o novo presidente executivo da Volkswagen, em substituição de Martin Winterkorn, que se demitiu na sequência do escândalo. Ora, antes de assumir a posição, Müller era o presidente da Porsche, o que pode significar que tem também culpas no cartório.

Para a chanceler Angela Merkel, a Alemanha continua a ser sinónimo de qualidade: “Graças à inovação, Made in Germany continua a ser um selo de qualidade. O que aconteceu na Volkswagen não muda nada, quero frisar isso. Mas também mostra que precisamos de transparência e de limpar o que está mal”, disse a chefe de governo alemã.

O escândalo já custou à construtora alemã o primeiro prejuízo em 15 anos e os problemas podem estar para durar, já que este foi o maior abalo de sempre no seio do grupo fundado por Ferdinand Porsche.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Relatório revela que mercado alemão continua a ser o que enfrenta mais dificuldades na Europa

Imposto sobre as sucessões na Europa: como variam as regras, as taxas e as receitas?

Como é que o ataque do Irão a Israel poderá ter impacto nas mercadorias?