EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Desemprego na Zona Euro atinge mínimos de quase 4 anos

Desemprego na Zona Euro atinge mínimos de quase 4 anos
Direitos de autor 
De  Nara Madeira com Eurostat
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A taxa de desemprego na Zona Euro atingiu mínimos de quase quatro anos. Em outubro, o número de desempregados ficou nos 10,7%, um ligeiro recuo, face

PUBLICIDADE

A taxa de desemprego na Zona Euro atingiu mínimos de quase quatro anos. Em outubro, o número de desempregados ficou nos 10,7%, um ligeiro recuo, face ao mês anterior. Segundo os dados divulgados, esta terça-feira, pelo Eurostat, há 17,2 milhões de pessoas sem emprego mas, no espaço de um mês, 13 mil pessoas conseguiram um posto de trabalho.

Este é o valor mínimo verificado desde janeiro de 2012. Em relação a período homólogo de 2014 houve uma quebra de pouco mais de um por cento.

The lowest #unemployment rate recorded in the euro area since January
2012. https://t.co/C7rZx7xfru#eurostatpic.twitter.com/djhHVq9jQT

— Mehmed Agovic (@MehmedAgovic) 1 dezembro 2015

Já em relação à União Europeia, e aos 28 Estados-membros, os dados divulgados, esta terça-feira, dão conta da manutenção, pelo terceiro mês consecutivo, da taxa de desemprego nos 9,3%.

The EU28 unemployment rate was 9.3% in October 2015, and down from 10.1% in October 2014. Latest #Eurostat data: https://t.co/jPcxhBejHw

— Michael Freytag (@MichaelFreytag) 1 dezembro 2015

A taxa mais baixa pertence à Alemanha, 4,5%:

“O emprego cresceu consideravelmente. A procura de novos empregados pelas empresas voltou a aumentar. Por isso o mercado de trabalho continua a desenvolver-se e está preparado para os desafios do futuro”, explicou Frank-Jürgen Weise, responsável pela Agência Federal para o Emprego.

Portugal registou a quinta maior taxa de desemprego entre os seus parceiros europeus, ainda que se tenha mantido estável nos 12,4%.

Os países com o maior número de desempregados são a Grécia, 24,6%, dados de agosto, e Espanha 21,6%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa