EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Temperaturas estragam Natal às estâncias de esqui

Temperaturas estragam Natal às estâncias de esqui
Direitos de autor 
De  João Peseiro Monteiro com AFP, Reuters, CHRTS, Direct Matin
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

As temperaturas pouco habituais neste início de inverno na Europa estão a estragar o negócio das estâncias de esqui. Nos Alpes a paisagem é

PUBLICIDADE

As temperaturas pouco habituais neste início de inverno na Europa estão a estragar o negócio das estâncias de esqui. Nos Alpes a paisagem é desoladora. A ausência do habitual manto branco tem um impacto direto nas reservas. A época natalícia representa entre 20 e 30 por cento do volume de negócios.

Na Alemanha, em Spitzingsee, tenta-se manter o moral porque ainda é cedo para se fazerem as contas. “Economicamente há uma pequena perda, porque as férias são os períodos mais fortes da época. Ainda temos o Carnaval, que é uma altura com uma grande afluência. Não é assim tão mau mas só no final do inverno é que podemos ter uma ideia precisa” – explica Peter Lorenz, responsável pelos teleféricos da estância bávara.

Na Suíça apontam o dedo ao aquecimento global. O manto de neve é quatro vezes mais fino este ano do que em 2012. Na região do Valais a altura da neve ronda atualmente os 50 centímetros. E em França o cenário não é melhor. Apesar do mau tempo para os negócios, os profissionais do turismo da região do Monte Branco permanecem otimistas. 69 por cento consideram que a época será equivalente à anterior e só 17 por cento pensam que vai ser pior.

Des tendances encourageantes pour la saison d’hiver 2015-2016 ! Les chiffres consolidés : ANMSM atout_france</a> <a href="https://t.co/HlMHPmHmGf">https://t.co/HlMHPmHmGf</a></p>&mdash; ANMSM (Anmsm_officiel) 15 dezembro 2015

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

O mundo está a ficar mais rico, mas quem é que está a beneficiar?

Classificação dos salários médios europeus: qual é a posição do seu país?

Quais são os desafios económicos da segunda volta das eleições em França?