EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Consumo no Natal desce no Reino Unido e França, mas sobe em Portugal

Consumo no Natal desce no Reino Unido e França, mas sobe em Portugal
Direitos de autor 
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Em plena época natalícia, Reino Unido e França debatem-se para atrair consumidores. No Reino Unido, as promoções e saldos já começaram. Mas, este

PUBLICIDADE

Em plena época natalícia, Reino Unido e França debatem-se para atrair consumidores.

No Reino Unido, as promoções e saldos já começaram. Mas, este ano, as empresas de retalho aumentaram consideravelmente os descontos. O maior aumento dos últimos 30 anos, de acordo com alguns analistas. As causas, dizem, devem-se sobretudo ao bom tempo.

“Os descontos esta época têm sido mais altos do que nos últimos anos. Isto deve-se, de certa forma, ao inverno atípico que estamos a ter. Retalhistas de vestuário e calçado tiveram de começar os saldos mais cedo na tentativa de vender os produtos em em stock”, diz Nick Carroll Mintel, analista de retalho.

Em França, os gastos de consumo das famílias também registaram um recuo. Face aos trágicos atentados terroristas em novembro, são muitos os franceses que temem frequentar locais com muita afluência.

“A recuperação económica tem sido mais lenta agora do que depois dos atentados de janeiro. Janeiro é o mês de excelência dos saldos. Esta época também é importante por ser fim de ano, mas verificamos uma pequena mudança no comportamento dos consumidores”, refere o diretor-geral da Printemps Hausmann, Pierre Pellarey.

Ao contrário do que acontece nestes dois países, Portugal regista um aumento nas vendas em relação a 2014, ainda que pouco significatvo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Comissário europeu para a Economia sem arrependimentos apesar da reação negativa ao Pacto Ecológico

Comissão Europeia prevê descida da inflação apesar do aumento do preço do petróleo

Habitação na Europa: é maior o número de proprietários ou de arrendatários?