EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Nove bancos iranianos voltam a fazer parte do sistema Swift

Nove bancos iranianos voltam a fazer parte do sistema Swift
Direitos de autor 
De  Patricia Cardoso com REUTERS
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

O Irão regressa ao sistema bancário internacional. Esta segunda-feira, nove bancos iranianos voltaram a fazer parte da rede Swift, a sociedade de

PUBLICIDADE

O Irão regressa ao sistema bancário internacional.

Esta segunda-feira, nove bancos iranianos voltaram a fazer parte da rede Swift, a sociedade de Telecomunicações Financeiras Interbancárias Mundiais. O sistema é usado em pagamentos e transações bancárias em todo o mundo.

Iran says SWIFT open to 9 banks on Monday https://t.co/JhvlcBav2qpic.twitter.com/QhbNKPgxzK

— Press TV (@PressTV) 31 janeiro 2016

O Irão estava fora do sistema desde 2012.

Mohsen Jalalpour, chefe da Câmara iraniana de Comércio, Indústria e Agricultura explica que os bancos podem voltar a aceder ao Swift. “Os bancos estavam sujeitos as sanções”, que foram levantadas em meados de janeiro, “e foi necessário preparar as infraestruturas necessárias para que pudessem aceder ao sistema”.

O funcionamento do sistema bancário é essencial para Teerão atrair o investimento que precisa.

Segundo o banco central iraniano, há bancos europeus interessados em abrir filiais no país, mas estes são prudentes.

Europe's big banks remain wary of doing business with Iran https://t.co/fb3z99REF1

— The Guardian (@guardian) 24 janeiro 2016

Os bancos europeus temem, por exemplo, multas por parte de Washington.

Os bancos e empresas norte-americanas continuam proibidos de fazer negócios com o Irão e o dólar não pode ser usado em transações internacionais com Teerão.

Artigo da Reuters

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BCE mantém as taxas de juro inalteradas, uma vez que o controlo da inflação continua a ser fundamental

O sentimento económico da Alemanha desce mais do que o esperado: A recuperação está em risco?

A reeleição de Trump poderá afetar a economia europeia em 150 mil milhões de euros