Europa: Preocupações com crescimento económico fazem afundar as bolsas

Europa: Preocupações com crescimento económico fazem afundar as bolsas
De  Patricia Cardoso com LUSA, REUTERS, AFP
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Dia negro nas bolsas europeias, com os investidores preocupados com o crescimento económico mundial. As perdas foram pesadas. Milão recuou quase

PUBLICIDADE

Dia negro nas bolsas europeias, com os investidores preocupados com o crescimento económico mundial.

As perdas foram pesadas. Milão recuou quase 4,7%. Paris 3,2%. Frankfurt 3,3%.

Lisboa seguiu a tendência. Recuou 2,8% e os juros da dívida portuguesa a dez anos tiveram a maior subida em oito meses.

O índice FTSEurofirst 300 cedeu 3% para mínimos de 16 meses. Os títulos bancários e os setores automóvel e tecnológico são os mais penalizados.

Mike Ingram, analista de mercados no BGC Partners, defende: “Penso que há problemas económicos muito profundos e há ainda alguns problemas políticos que complicam a situação. É uma das razões pelas quais decidi não comprar ações europeias. Estou contente de não ter de enfrentar esse problema”.

A bolsa de Atenas foi a mais penalizada. Afundou quase 8%, arrastada pelo setor bancário. Os bancos gregos perderam entre 17% e 29% só esta segunda-feira.

European banks so far this year:

Greek -56%
German -33%
Italian -31%
French -24%
Portuguese -20%
UK -19%
Spanish -18%

— Jamie McGeever (@ReutersJamie) 8 fevereiro 2016

Os investidores abandonam ativos de risco, a favor dos títulos do Tesouro americano ou do ouro, numa altura em que a Grécia negocia as medidas de austeridade com os credores internacionais.

O euro manteve-se estável.

O petróleo continua a recuar, com a ausência de novidades da reunião entre a Arábia Saudita e a Venezuela. O barril de Brent está pouco acima dos 30 dólares.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

A guerra entre Israel e o Hamas está a afetar a economia israelita

Mercado único europeu coloca objetivos ecológicos e digitais no centro das atenções em 2024

Comissão Europeia revê em baixa previsões de crescimento económico