EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Sexta-feira negra nas praças europeias

Sexta-feira negra nas praças europeias
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Brexit provocou quedas históricas nos mercados de capitais, embora, paradoxalmente, o Footsie de Londres, com um recuo de 3,15%, tenha sido o índice que menos desceu entre as principais bolsas do Ve

PUBLICIDADE

O Brexit provocou quedas históricas nos mercados de capitais, embora, paradoxalmente, o Footsie de Londres, com um recuo de 3,15%, tenha sido o índice que menos desceu entre as principais bolsas do Velho Continente. Em contrapartida, a libra esterlina chegou a afundar 10 por cento face ao dólar americano e atingiu o valor mais baixo dos últimos 31 anos. Os valores imobiliários e os bancários foram os mais afetados.

O professor Ronen Palen, da City University de Londres, considera, no entanto, que o pior pode ainda estar para vir:

“Para mim os dias críticos serão terça e quarta-feira. Os mercados agora fecham para o fim de semana mas se na segunda-feira continuarem a cair e se a queda se prolongar por terça e quarta-feira, então podemos estar perante uma situação semelhante à da falência do Lehman Brothers.”

Recorde-se que o fim do banco americano em 2008 mergulhou o planeta numa crise global.

Do outro lado do Canal da Mancha, o príncipal índice da praça de Paris (CAC40) derreteu 8,04% e o de Frankfurt (DAX) 6,82%. Em Lisboa, o PSI-20 perdeu 6,99 por cento, com o BCP a liderar as perdas. Destaque ainda para a bolsa de Madrid (IBEX) que registou o pior dia da sua história com uma contração de 12,35%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

BCE mantém as taxas de juro inalteradas, uma vez que o controlo da inflação continua a ser fundamental

O sentimento económico da Alemanha desce mais do que o esperado: A recuperação está em risco?

A reeleição de Trump poderá afetar a economia europeia em 150 mil milhões de euros