A Grécia vai cobrar impostos sobre atividades de arrendamento particular

A Grécia vai cobrar impostos sobre atividades de arrendamento particular
Direitos de autor 
De  Antonio Oliveira E Silva com Semela Touchtidou, em Atenas, e Sandra Valdívia Teixeir
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

É já a partir do mês de outubro que a Grécia começa a aplicar uma nova lei sobre o arrendamento de alojamentos particulares, numa medida muito aplaudida pelo setor hoteleiro.

PUBLICIDADE

Com Semela Touchtidou, em Atenas, e Sandra Valdívia Teixeira

Tal como Portugal em 2014, a Grécia prepara uma nova legislação para controlar os arrendamentos de particulares, de forma a cobrar impostos sobre este tipo de atividades.

A maioria deste tipo de arrendamentos faz-se através de empresas que operam sites na Internet, muito populares nas grandes cidades europeias.

Para Tryfon Alexiadis, do vice-ministro helénico das Finanças, o importante é combater a evasão fiscal, de forma a permitir um comércio mais justo para todos:

“Vamos fazer com que estes locais sejam registados numa lista especial,” disse Alexiadis, em entrevista à Euronews.

“Todos os que colocarem anúncios na Internet para arrendar deverão ter esse registo atualizado. E isto é apenas parte das nossas políticas para combates a evasão fiscal, comércio ilegal e corrupção”, concluiu.

O turismo é um setor fundamental para a economia grega. Segundo a nova lei, será imposta uma taxa de entre 3 a 5% por cada reserva feita, já a partir de outubro.

George Tsakiris, presidente da Câmara Helénica de Profissionais da Hotelaria, disse à Euronews que está em causa a sobrevivência da indústria hoteleira grega, assim como milhares de postos de trabalho em todo o país:

“Esta conduta prejudica o Estado, os fundos públicos, o emprego e a concorrência. E cria um ambiente de negócios injusto, ameaçando a viabilidade das empresas turísticas gregas.”

O Estado grego terá perdido, segundo um estudo realizado a pedido da organização profissional dos hoteleiros, mais de 500 milhões de euros num ano, porque as rendas pagas a habitações privadas não sofrem qualquer imposição fiscal. Além disso, cerca de 15 mil pessoas terão perdido o emprego nos últimos tempos.

Em Portugal, existem mais de 19 mil alojamentos registados para arrendamento privado, a maioria dos quais, em Lisboa. O registo foi possível graças ao Novo Regime Jurídico de Arrendamento Local, aprovado em 2014.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Preço do metro quadrado em Paris bate recorde

Relatório revela que mercado alemão continua a ser o que enfrenta mais dificuldades na Europa

Imposto sobre as sucessões na Europa: como variam as regras, as taxas e as receitas?