PM britânica defende continuidade de Mark Carney fica no Banco de Inglaterra até meados de 2019

PM britânica defende continuidade de Mark Carney fica no Banco de Inglaterra até meados de 2019
De  Euronews com reuters, bloomberg,
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O governador do Banco de Inglaterra emitiu um comunicado a dizer que decidiu ficar à frente da instituição até junho de 2019

PUBLICIDADE

Mark Carney emitiu um comunicado a dizer que decidiu ficar à frente do Banco de Inglaterra até ao final de junho de 2019.
A primeira-ministra britânica tinha saído, esta segunda-feira, em defesa do governador do Banco de Inglaterra. Através do porta-voz oficial do governo, Theresa May expressou apoio total a Mark Carney, esperando que este prolongasse o mandato até 2021, numa tentativa de afastar especulações sobre uma eventual saída do governador do banco central em meados de 2018.

May backs Carney to serve full term as Bank of England governor https://t.co/6zc4SGTlBI

— The Guardian (@guardian) October 31, 2016

Segundo um analista do CIBC, Jeremy Stretch, “se partirmos do princípio que Carney foi visto como uma das poucas vozes responsáveis imediatamente após o voto do ‘Brexit’, em junho, as especulações sobre o seu futuro não adiantam nada ao tema. A especulação é só mais uma camada de incerteza a considerar num Reino Unido após o ‘Brexit’”.

O governador esteve reunido com a chefe do executivo esta segunda-feira e o banco central tem uma conferência de imprensa agendada para quinta-feira, após mais uma reunião da instituição que, segundo o analista do CIBC, não deverá alterar para já as políticas. Mas, o banco central está “consciente da necessidade de injetar mais estímulos (na economia britânica) no início do primeiro trimestre de 2017”.

A incerteza sobre o futuro de Mark Carney pressionou negativamente a libra esterlina que, esta segunda-feira, voltou a desvalorizar face ao dólar.

Is Mark Carney indispensable? https://t.co/RLZVBG7EI5

— The Economist (@TheEconomist) October 31, 2016

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Preço do azeite sobe mais de 50% num ano na UE, Portugal registou o maior aumento

O preço do amor: porque sai tão caro encontrar alguém?

Corredor central Ásia-Europa essencial para combater subida nos preços