EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Donald Trump já está em Davos para o Fórum Económico Mundial

Donald Trump já está em Davos para o Fórum Económico Mundial
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O presidente dos Estados Unidos traz uma delegação de alto nível, constituída por dez membros da sua Administração.

PUBLICIDADE

O presidente dos Estados Unidos da América, Donald Trump, chegou hoje de helicóptero Davos, nos Alpes suíços, que acolhe o Fórum Económico Mundial.

É a primeira vez que um presidente norte-americano está presente no encontro desde 2000 e Donald Trump vem com uma delegação de peso, que inclui 10 elementos da administração. Uma decisão surpreendente, depois das críticas do líder dos EUA à ideia de globalização associada a Davos.

Numa mensagem publicada no Twitter, Donald Trump parece estar preparado para enfrentar um ambiente adverso e garantiu que vai defender o bom momento dos EUA perante os parceiros internacionais.

A chegada de Trump surge depois de Emmanuel Macron ter dominado as atenções no segundo dia do Fórum.

O presidente francês esteve reunido com o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, a quem defendeu a solução de dois estados e Jerusalém como capital de Israel e Palestina. Macron realçou ainda a necessidade de cooperação internacional perante o desafio da ecologia, uma referência implícita à saída dos Estados Unidos do Acordo de Paris sobre as alterações climáticas.

O Fórum Económico Mundial está a ser marcado por fortes medidas de segurança e já foi alvo de manifestações.

Para esta edição, que termina na sexta-feira, são esperadas cerca de 3000 personalidades, desde a política ao mundo empresarial.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Zelenskyy em Davos: Putin é um "predador" e não se contenta com conflitos "congelados"

Macron condena violência e reitera que não vai ceder

Gabriela Bucher: "Não podemos ter pessoas a morrer de fome no século XXI"