Zelenskyy em Davos: Putin é um "predador" e não se contenta com conflitos "congelados"

Volodymyr Zelenskyy falou em Davos esta terça-feira
Volodymyr Zelenskyy falou em Davos esta terça-feira Direitos de autor Markus Schreiber/Copyright 2024 The AP. All rights reserved
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Presidente ucraniano está presente no Fórum Económico Mundial em Davos pela primeira vez, desde o início da invasão russa.

PUBLICIDADE

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelenskyy, alertou os seus aliados ocidentais, esta terça-feira, para o facto do presidente russo, Vladimir Putin, ser “um predador” que não se contenta com conflitos “congelados”. O aviso foi proferido durante o discurso no Fórum Económico Mundial em Davos, na Suiça.

Zelenskyy recordou que, depois de 2014, houve "tentativas" de congelar o conflito na região de Donbass, na Ucrânia. De acordo com o líder ucraniano, o presidente russo "não vai mudar".

O ano de 2024 deverá ser decisivo para a Ucrânia, segundo Zelenskyy, que salientou que, no passado, "sempre que a Ucrânia pedia mais armas, mais sanções, mais apoio e mais medidas contra a Rússia, era-lhe dito que não alimentasse uma escalada no conflito".

Durante o discurso no Fórum Económico Mundial, o líder ucraniano sublinhou que as medidas atuais não conseguem impedir a produção de mísseis russos, dado que continuam a ser utilizados componentes críticos provenientes dos países ocidentais. Zelenskyy destacou ainda a necessidade de serem aplicadas sanções globais contra a indústria nuclear russa, considerando as ações de Putin, incluindo a tomada de reféns numa central nuclear, como atos de terrorismo.

O Presidente ucraniano está a ter uma série de reuniões em Davos, onde aterrou na manhã desta terça. Até agora, a  principal mensagem é a de que "o mundo deve contribuir para o fim da guerra na Ucrânia" e apela aos aliados para participarem neste processo.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Polónia apela à Europa para que reforce o apoio militar à Ucrânia

Mais países nas negociações sobre a Fórmula de Paz para a Ucrânia, mas falta a China

Macron condena violência e reitera que não vai ceder