EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

Milhares nas ruas para pedir a primeiro-ministro de Espanha que não se demita

Apoiantes do primeiro-ministro de Espanha, Pedro Sánchez, reúnem-se na sede do partido PSOE durante uma manifestação em Madrid, Espanha, sábado, 27 de abril de 2024.
Apoiantes do primeiro-ministro de Espanha, Pedro Sánchez, reúnem-se na sede do partido PSOE durante uma manifestação em Madrid, Espanha, sábado, 27 de abril de 2024. Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  Roberto Macedonio Vega com Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Partido Socialista reuniu-se em Madrid, no sábado, para manifestar o seu apoio a Pedro Sánchez, numa altura em que milhares de pessoas saíram às ruas para pedir ao primeiro-ministro que não se demita.

PUBLICIDADE

“Presidente, estamos consigo”. É uma das frases que a número dois do Partido Socialista (PSOE), e primeira vice-Presidente do Governo de Espanha, María Jesús Montero, disse durante o seu discurso de sábado no Comité Federal do Partido Socialista Espanhol em apoio ao primeiro-ministro Pedro Sánchez.

“Estamos consigo para lhe dar o nosso amor e gratidão”, continuou Montero. Sánchez tem a sua agenda congelada há dois dias “para refletir” sobre a uma eventual demissão. A decisão surge na sequência de um processo judicial aberto contra a sua mulher Begoña Gómez por alegada corrupção. Sánchez disse que o caso foi fabricado pela direita e extrema-direita no país para desmantelar a sua influência.

Sánchez deverá anunciar segunda-feira se decide demitir-se do governo

Em resposta à acusação contra Sánchez, o Partido Socialista apelou a uma comissão para manifestar apoio ao primeiro-ministro. Num movimento inédito, o encontro foi aberto, gravado ao vivo, e transmitido através de ecrãs-gigantes instalados na rua.

“Parem com as mentiras”, disse Montero, ao acrescentar que o primeiro-ministro e a sua família estão a sofrer “violência verbal” numa “campanha suja contra eles”.

Fora da sede do Partido Socialista, milhares manifestaram apoio a Sánchez com bandeiras nacionais de Espanha e do PSOE. A concentração em frente à sede do partido reuniu milhares de pessoas que viajaram de todo o país para Madrid.

“Viemos de Pontevedra. Tomei a decisão de vir mostrar que ele tem o nosso apoio”, disse um apoiante ao canal de notícias espanhol RTVE. “Vamos pedir-lhe para continuar, não vamos deixá-lo cair”, disse outro manifestante.

Sánchez também recebeu apoio de autoridades internacionais, como o presidente Gustavo Petro da Colômbia e o presidente Lula da Silva do Brasil, que condenaram os ataques da direita contra o primeiro-ministro.

Protestos contra Sánchez também eclodiram nos últimos dias

A oposição pede explicações ao primeiro-ministro sobre as acusações contra a sua mulher. O desconforto também foi expresso pela oposição por causa da decisão de Sánchez em congelar a sua agenda enquanto reflete sobre qual a decisão que vai tomar quanto ao seu futuro à frente do governo de Espanha.

O principal partido da oposição, o Partido Popular (PP), lançou uma campanha que procura reunir cartas de espanhóis que querem dizer a Sánchez o que lhes preocupa.

O partido pede ao governo que ouça os problemas que a sociedade tem.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Porque é que a taxa de desemprego em Espanha está a aumentar e o que está a ser feito para a reduzir?

Análise: “Por detrás da decisão de Sánchez está uma estratégia de preparação para as eleições”

"Competição vergonhosa". Erdogan acusa Festival da Eurovisão de ameaçar a família tradicional