EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Bom astral no Fórum Económico Mundial

Werner Hoyer, Presidente do Banco Europeu de Investimento
Werner Hoyer, Presidente do Banco Europeu de Investimento Direitos de autor REUTERS/Francois Lenoir
Direitos de autor REUTERS/Francois Lenoir
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Apesar dos riscos e incertezas, o otimismo reinou na edição deste ano do Fórum de Davos

PUBLICIDADE

Otimismo foi uma das palavras mais escutadas na edição deste ano do Fórum de Davos, especialmente em relação ao futuro da Europa.

Apesar do populismo ter ganho terreno em muitas áreas do 'velho continente', responsáveis políticos e económicos pintam um cenário positivo para os próximos tempos. É também o caso do presidente do Banco Europeu de Investimento, Werner Hoyer:

***"De um ponto de vista Europeu, foi o melhor Fórum de Davos, pelo menos na última década. Nos últimos dois anos, a Europa esteve em introspeção. Estivemos ocupados com os nossos problemas e os outros olhavam para nós com pena, preocupação ou algo do género. Este ano, perguntam, por exemplo, o que devemos fazer no mundo."

Mas mesmo se o otimismo reina, pairam algumas sombras no ar, como o 'brexit'. É perciso não dramatizar, defende Werner Hoyer:

"Não devemos colocar o 'brexit' no centro de tudo. Mas temos de ser claros: o custo será enorme para todos. Não é algo em que alguém possa sair a ganhar, perdemos todos, em particular o povo do Reino Unido."

Apesar dos riscos, estejam eles ligados à geopolítica, às ameaças terroristas ou de pirataria informática, o clima é de otimismo entre os decisores económicos e políticos presentes em Davos. No final do ano se verá se a confiança era justificada.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Davos: O Brexit e os desafios para a economia

Otimismo do FMI contrasta com relatório da Oxfam

Zelenskyy em Davos: Putin é um "predador" e não se contenta com conflitos "congelados"