EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Conte encarregue de formar governo que inquieta UE

Conte encarregue de formar governo que inquieta UE
Direitos de autor REUTERS/Alessandro Bianchi
Direitos de autor REUTERS/Alessandro Bianchi
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Depois de ver nomeação aceite pelo presidente, novo primeiro-ministro italiano ataca-se à formação de executivo entre populista Movimento Cinco Estrelas e extrema-direita da Liga

PUBLICIDADE

Até há pouco desconhecido do grande público e sem experiência política prévia, Giuseppe Conte é o novo primeiro-ministro de Itália, depois do presidente Sergio Mattarella ter aceite a sua nomeação, apesar das dúvidas suscitadas pelo perfil do jurista de 54 anos e da polémica acerca de eventuais falsidades no seu currículo.

Conte ataca-se agora à formação do governo entre o populista Movimento Cinco Estrelas de Luigi Di Maio e a extrema-direita da Liga de Matteo Salvini.

Os dois líderes deverão ser os principais decisores acerca da composição do executivo, com Conte a jogar um papel de tecnocrata e equilibrista.

Segundos os media italianos, Di Maio terá pedido o Ministério do Desenvolvimento Económico e do Trabalho, enquanto Salvini terá exigido a pasta do Interior, com o objetivo de endurecer a segurança e apertar o cerco à imigração.

O carácter abertamente eurocético dos dois partidos é fonte de grande inquietude em Bruxelas, que espera de Itália "respostas credíveis" aos grandes problemas do país, como a dívida pública, a segunda mais elevada da União Europeia.

O governo apresentado por Conte deverá ser submetido na próxima semana ao voto de confiança na Câmara dos Deputados e no Senado italiano.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado

Riqueza das nações: o fosso cada vez maior entre ricos e pobres na Europa