EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Comércio entre países do G20 em máximos históricos

Comércio entre países do G20 em máximos históricos
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Brasil foi o país do grupo onde o comércio mais cresceu no primeiro trimestre de 2018, com um ganho de 13,4%.

PUBLICIDADE

O comércio entre os países do G20 esteve ao nível mais alto de sempre nos primeiros três meses de 2018 - É o que mostra o mais recente relatório sobre o comércio mundial, publicado agora pela Organiçação para o Comércio e Desenvolvimento Económico, a OCDE. Segundo o documento, o Brasil foi o país do grupo onde o comércio mais cresceu. Mas o economista-chefe Álvaro Santos Pereira alerta para o protecionismo: "Os países do G20 introduziram 1200 medidas para restringir o comércio, por isso o protecionismo tem vindo a crescer nos últimos dez anos. A escalada de tensão, nos últimos meses, é também um passo em direção a um maior protecionismo no comércio", diz o português, antigo ministro da Economia.

Guerras comerciais que têm a ver com setores como o do aço, como alerta o secretário-geral da OCDE Ángel Gurría. Existe um problema de excesso de oferta e, para o combater, os governos usam as tarifas. Uma abordagem errada, segundo Gurría: "O problema é que há uma capacidade de produção muito elevada, a nível mundial, que foi criada com base em assunções que não foram provadas e é preciso reduzi-la. A única forma de o fazer é através de negociações, através de um sistema multilateral".

Já no que toca aos países do G7, o crescimento do comércio não foi tão grande como o das economias emergentes. Destacou-se o Reino Unido, com um crescimento de 5,5%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Um encontro do G20 sem grandes conclusões em Buenos Aires

Alternativa ao lítio: Pode o manganésio substituir as baterias de lítio dos veículos elétricos?

Banco Central Europeu corta taxas de juro em linha com as expetativas do mercado