EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Mark Carney admite continuar no Banco de Inglaterra pelo "brexit"

Mark Carney admite continuar no Banco de Inglaterra pelo "brexit"
Direitos de autor 
De  Francisco Marques com Reuters
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O mandato do Governador já havia sido prolongado há um ano até junho de 2019 e pode voltar a ser esticado para ajudar a suavizar o impacto da saída britânica da União Europeia, mas nem isso "animou" a libra

PUBLICIDADE

O governador do Banco de Inglaterra (BoE, na sigla inglesa) confirmou esta terça-feira, perante a Comissão do Tesouro de Sua Majestade, estar em negociações com o Governo para prolongar o mandato além do limite fixado em junho do próximo ano.

A possibilidade já vinha a ser noticiada na imprensa britânica como estratégia do executivo conservador para encontrar um substituto à altura do desafio até junho de 2020.

O canadiano Mark Carney espera, com esta disponibilidade, poder ajudar tanto quanto possível a economia do Reino Unido a aguentar o impacto do divórcio com a União Europeia, marcado para 29 de março, e com uma perspetiva negativa.

"Penso que todos reconhecemos que um "brexit" sem acordo é uma possibilidade. As negociações estão a entrar numa fase crítica, existe ainda um vasto leque de eventuais desfechos e por vezes as coisas não evoluem como esperado", explicou o Governador do BoE, que logo após o referendo aceitou continuar no cargo para lá de junho de 2018 já devido às ondas de choque do processo de "divórcio" europeu em curso.

Assumindo "uma predisposição para fazer tudo o que for possível para ajudar no processo" de separação, Carney revelou ter debatido o eventual prolongamento de mandato com o ministro das Finanças, Philip Hammond, e previu para breve um anúncio sobre o tema.

Após a revelação do eventual prolongamento de mandato de Mark Carney no Banco de Inglaterra, a libra registou uma ténue recuperação, mas o dia ficou marcado pela maior queda, em três meses, da moeda britânica face ao euro provocada pela rejeição europeia da mais recente proposta britânica para o "brexit."

Outras fontes • Guardian

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Blair diz que Theresa May está "no caminho errado" do "Brexit"

UE diz que "não há mercado único 'à la carte'"

Ausência de acordo entre UE e Reino Unido pode ter consequências "grandes", diz Carney