EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Impacto do adiamento do "Brexit" nas bolsas europeias

Impacto do adiamento do "Brexit" nas bolsas europeias
Direitos de autor 
De  Euronews
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Algumas praças europeias estiveram em baixa na sequência do anúncio de um acordo entre Bruxelas e Londres para estender o processo do "Brexit" até 31 de outubro

PUBLICIDADE

O anúncio de um novo prazo para a saída do Reino Unido da União Europeia provocou reações distintas nas bolsas europeias.

Em Portugal, o PSI iniciou a jornada a negociar na linha de água.

Já o principal índice da bolsa de Londres arrancou a sessão desta quinta-feira com uma leve baixa, pressionado, entre outras coisas, por receios de um abrandamento económico global.

Os analistas também falam no impacto da palavra "Brexit" sobre os investidores.

"O que acontecerá é que as empresas ficarão paradas. Não investirão, o que quer dizer que a economia britânica ficará, provavelmente, inalterada ao longo dos próximos seis meses. O que se pode dizer em relação a um não acordo é que haverá um impacto de curto prazo mas depois as empresas conseguirão planear para o longo prazo. Neste momento não podem fazer coisa alguma", explica Michael Hewson, analista-chefe da CMC Markets.

O cenário de desaceleração económica e as perdas em empresas mineiras anularam os ganhos de companhias aéreas e empresas de construção na praça londrina.

Para a agência de "rating" Moody’s, a prorrogação do processo evita um resultado de saída sem acordo, mas a incerteza deverá continuar a penalizar a economia britânica.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?