EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Jogador médio da Premier League ganha 18 vezes mais que primeiro-ministro

Jogador médio da Premier League ganha 18 vezes mais que primeiro-ministro
Direitos de autor 
De  Ricardo Figueira
Publicado a Últimas notícias
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Com a liga inglesa prestes a começar, o Banco de Inglaterra fez um levantamento das somas envolvidas no futebol.

PUBLICIDADE

Terminou a janela de compras de jogadores para a liga de futebol mais rica da Europa: A Premier League inglesa. Mas os clubes podem continuar a vender jogadores até fecharem os outros mercados europeus, o que acontece, na maior parte dos casos, em finais deste mês ou inícios de setembro.

Na Europa, foi na Premier League que o dinheiro mais circulou), com mais de 400 transferências que, juntas, valem quase dois mil milhões de euros.

O Arsenal foi o clube mais gastador e pagou quase 100 milhões de euros por jogadores, seguido pelos dois clubes de Manchester - o United e o City - e pelo Tottenham. Com balanço positivo, destacam-se o Liverpool e o Chelsea.

As quantias astronómicas envolvidas no futebol levaram o Banco de Inglaterra a fazer um levantamento dos salários de várias profissões e compará-los com o salário médio de um jogador da Premier League.

Um empregado de um bar ganha apenas 320 euros por semana e o Primeiro-ministro tem um salário de 10 vezes esse valor. Mas um jogador da liga principal ganha 55.000 euros semanais em média, ou seja, 18 vezes mais o que recebe o inquilino do número dez da Downing Street.

São as leis do mercado: os jogadores recebem cada vez mais porque os clubes fazem cada vez mais dinheiro, sobretudo com os direitos televisivos, que mais que duplicaram, nos últimos três anos, em relação ao início desta década.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros

China já reagiu a decisão de União Europeia sobre tarifas nos carros elétricos

Eleições europeias: será que a onda de extrema-direita vai pressionar o sector das energias renováveis?