EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

Japão e Gana unem-se no combate às doenças infecciosas

Japão e Gana unem-se no combate às doenças infecciosas
Direitos de autor euronews
Direitos de autor euronews
De  Chris Burns
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

No Gana, um instituto japonês está a trabalhar na deteçâo precoce de doenças infecciosas e na formação de cientistas locais. Os métodos de gestão japoneses estão já a ajudar na investigação da covid-19. #GlobalJapan

PUBLICIDADE

O combate às doenças é um esforço mundial. No Gana, há um instituto japonês que ganhou o nome de Noguchi Hideyo, o médico que, nos anos 20, procurou no país africano a cura para a febre-amarela.

Atualmente, o Instituto Noguchi tem uma equipa internacional a trabalhar em toda a África Ocidental e, no ano passado, inaugurou um laboratório para trabalhar nas áreas de epidemiologia, imunologia, virologia e bacteriologia.

Fundação em memória de Hideyo Noguchi
O médico japonês Hideyo NoguchiFundação em memória de Hideyo Noguchi

Abraham Anang, diretor do Instituto de Investigação Médica Noguchi revela que agora, a instituição está a investir na"formação de países terceiros, com a formação de cientistas de laboratório na África Ocidental pós-ébola, de forma a preparar a região para poder responder com uma deteção precoce".

Essa perícia inclui também métodos japoneses de gestão. Um deles é "kaizen," ou "mudança para melhor", em japonês. E os "5S": separação (seiri), arrumação (seiton), limpeza (seiso), padronização (seiketsu), e disciplina (shitsuke).

Através do "kaizen", qualquer empregado pode propor inovações, o que, combinado com o 5S, permite um aumento da eficiência.

Os investigadores ganeses aprenderam os métodos durante uma formação em Tóquio.

Para Christopher Zaab-Yen Abana, investigador chefe-adjunto no departamento de virologia do instituto, eles "ajudam a ordenar e a definir corretamente o espaço de trabalho do laboratório. E o mais importante nesta época de Covid-19 é que esta abordagem nos ajudou a combinar os milhares de amostras, para que as possamos processar.

O "Kaizen" e os "5S" ajudam n testagem, mas também a gerir hospitais.

"Ajudou-nos também a garantir que somos capazes de diagnosticar outras doenças infecciosas relacionadas, como a gripe, a febre-amarela, e depois a Covid-19", acrecenta o virólogo.

Fundação em memória de Hideyo Noguchi
Hideyo Noguchi no GanaFundação em memória de Hideyo Noguchi

Noguchi Hideyo morreu no Gana, em 1928, com febre-amarela , mas o seu legado é mantido vivo por sucessores, como Hayashi Takaya.

A trabalhar no Instituto Noguchi há já três anos, o investigador recorda um exemplo prático dos benefícios da investigação conjunta no terreno.

"O meu colega ganês ajudou-me a recolher as amostras. E isso é uma cooperação muito boa para fazer avançar a nossa investigação no Gana. Isolámos com sucesso o vírus da dengue ganesa".

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Escassez de sangue para transfusões na África Subsaariana causa morte de milhares de mulheres

Japão coopera com 17 países para instalar tecnologias de baixo carbono