EventsEventosPodcasts
Loader

Find Us

PUBLICIDADE

FMI acredita que Europa "terá recuperação em V"

FMI acredita que Europa "terá recuperação em V"
Direitos de autor AFP
Direitos de autor AFP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

O Fundo Monetário Internacional (FMI) acredita que a Europa terá uma recuperação "em forma de V mais equitativa, verde, inteligente e resiliente", mas isso só será possível sob certas condições, sobretudo uma vacinação mais rápida.

PUBLICIDADE

O Fundo Monetário Internacional (FMI) acredita que a Europa terá uma recuperação "em forma de V mais equitativa, verde, inteligente e resiliente", mas isso só será possível sob certas condições, sobretudo uma vacinação mais rápida. Se o ritmo de vacinação acelerar, o crescimento da Europa vai ser de 4,5% este ano. Mas e se não acelerar? 

Para responder a esta e outras questões a editora de Economia da Euronews, Sasha Vakulina, entrevistou o diretor do Departamento Europeu do FMI, Alfred Kammer. 

Euronews: Até que ponto se a vacinação não acelerar isso pode adiar a recuperação e o crescimento?

Alfred Kammer: Esperamos que as metas de vacinação sejam realmente atingidas. Assistimos a um começo lento no início do ano na Europa, mas agora está a acelerar rapidamente. E esperamos que as metas estabelecidas pelos países europeus possam ser cumpridas. Portanto, acreditamos nesta fase, que esta previsão é - neste sentido - robusta.

Dito isto, há uma enorme incerteza no sentido de que precisamos lidar com a terceira vaga agora e depende de quanto tempo isso demora. Não sabemos o que vai acontecer com as mutações, não sabemos o que vai acontecer com a aceitação da vacina. Ainda são muitas as incógnitas

E: Houve muitas medidas de apoio ao emprego em toda a Europa e, no pico, protegeram 68 milhões de postos de trabalho. Mas, ao mesmo tempo, perderam-se muitos postos de trabalho e não foram recuperados...

AK: Precisamos de mudar os apoios e ajudar os trabalhadores a mudar de uns empregos para os outros, de setores em declínio para setores em expansão. Isso pode exigir subsídios de contratação, oferecidos pelos governos, que exigirão nova formação e requalificação e investimento privado.

O investimento privado estava a cair durante a crise e precisamos ter um incentivo para fazer voltar o investimento privado.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Países mais ricos vão crescer menos diz FMI

França aposta nas energias renováveis e na mobilidade verde

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros