EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

A crise tece-se no horizonte

Crise no setor têxtil
Crise no setor têxtil Direitos de autor Screen frame from eurovision/RTP images
Direitos de autor Screen frame from eurovision/RTP images
De  Bruno Sousa
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Setor têxtil já regressou aos níveis de produção pré-pandemia mas o aumento nos custos ameaça o futuro

PUBLICIDADE

A produção no setor têxtil já regressou aos níveis pré-pandemia na Europa mas nem por isso o cenário é animador. Os custos de produção explodiram e o problema começa com a escassez de matéria-prima. Só preço do algodão, essencial para o setor, aumentou mais de 70% nos últimos doze meses.

A situação agrava-se com a incerteza provocada pelo caos na cadeia de abastecimento. Rui Martins, Presidente do Conselho de Administração da Inovafil, dá o exemplo de um carregamento proveniente da China, que além de custar dez vezes mais que o habitual, demora agora até quatro meses a ser entregue, quando antes demorava cinco semanas, e não existe nenhuma informação sobre onde se encontra a carga nem quando vai ser entregue.

O golpe que poderá ser fatal para a indústria têxtil em Portugal foi a explosão no custo da energia. O aumento dos preços para o consumidor é inevitável e os produtores pedem ao Estado que intervenha.

Joaquim Almeida, administrador da JF Almeida, teme que várias empresas sejam obrigadas a fechar portas se o governo não intervir, por exemplo, com uma redução da carga fiscal.

O efeito dominó não tem fim à vista e a crise que se adivinha promete afetar vários quadrantes, desde os produtos básicos de uso diário à roupa de luxo produzida em Portugal para as grandes marcas do vestuário.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Eleições Francesas: vitória da esquerda provoca queda do euro

Fabricante de chocolates planeia Nutella vegana

Elon Musk obtém apoio dos acionistas para um pacote salarial de 52 mil milhões de euros