EventsEventos
Loader

Find Us

FlipboardLinkedin
Apple storeGoogle Play store
PUBLICIDADE

OPEP+ corta produção de petróleo

O anúncio foi feito esta quarta-feira pelo vice-ministro do Petróleo do Irão, Amir Hossein Zamaninia, no final de uma conferência da OPEP
O anúncio foi feito esta quarta-feira pelo vice-ministro do Petróleo do Irão, Amir Hossein Zamaninia, no final de uma conferência da OPEP Direitos de autor AP
Direitos de autor AP
De  euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Copiar/colar o link embed do vídeo:Copy to clipboardCopied

Aliança de produtores de petróleo OPEP+, liderada pela Arábia Saudita e pela Rússia, anuncia corte de dois milhões de barris por dia na produção a partir de novembro.

PUBLICIDADE

A Aliança dos produtores de petróleoOPEP+, liderada pela Arábia Saudita e pela Rússia, cortou a produção em dois milhões de barris por dia, o maior corte desde da pandemia da Covid-19.

O anúncio foi feito esta quarta-feira pelo vice-ministro do Petróleo do Irão, Amir Hossein Zamaninia, no final de uma conferência da Organização dos Países Exportadores de Petróleo e dos 10 países produtores seus aliados.

O corte na produção vai começar em novembro e era já esperado, sendo justificado pela forte queda dos preços dos petróleo devido a temores de que as principais economias globais, como os Estados Unidos da América ou a União Europeia, entrem em recessão devido à alta inflação, ao aumento das taxas de juros destinadas a conter o aumento dos preços e à incerteza sobre a guerra da Rússia na Ucrânia.

O presidente dos EUA, Joe Biden, expressou sua deceção com a decisão da OPEP + de reduzir a produção, considerando a medida de "curto prazo".

"Num momento em que a manutenção do abastecimento global de energia é de suma importância, esta decisão terá o maior impacto negativo nos países de baixos e médios rendimentos, que já sofrem com os altos preços da energia", afirmou em comunicado o conselheiro norte-americano de Segurança Nacional, Jake Sullivan.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

OPEP sobe produção em 500 mil barris/dia

BMW, Jaguar e Volkswagen criticadas por importarem peças e automóveis chineses proibidos

Microsoft compromete-se a investir 4,3 mil milhões de dólares em França