O que é o Mecanismo de Recuperação e Resiliência ? O nosso curso intensivo

Em parceria com The European Commission
O que é o Mecanismo de Recuperação e Resiliência ? O nosso curso intensivo
Direitos de autor euronews
De  Bryan Cartereuronews
Partilhe esta notícia
Partilhe esta notíciaClose Button

O Fundo de Recuperação e Resiliência é um pacote financeiro de 723,8 mil milhões de euros para favorecer a recuperação depois da pandemia.

Dívida, inflação, salários e emprego... Nem sempre é fácil perceber o funcionamento da economia. A série Real Economy explica-nos conceitos principais e analisa a forma como as políticas públicas reagem às mudanças económicas. Clique no vídeo para saber mais.

O Mecanismo de Recuperação e Resiliência é um pacote financeiro de 723,8 mil milhões de euros, sob a forma de subsídios e empréstimos, concebido para favorecer a recuperação pós-pandémica nos Estados Membros da União Europeia.

Este instrumento de recuperação temporário visa atenuar o impacto económico e social da pandemia da COVID-19 e tornar os países da UE mais sustentáveis, mais resilientes e melhor preparados para os desafios e oportunidades das transições ecológicas e digitais.

O que é o Mecanismo de Recuperação e Resiliência?

O Mecanismo de Recuperação e Resiliência, que entrou em vigor a 19 de Fevereiro de 2021 e durará até Agosto de 2026, é o elemento central do NextGenerationEU - o pacote de recuperação económica da COVID-19 da União Europeia.

Este mecanismo permite à Comissão Europeia angariar fundos para ajudar os Estados Membros a implementar reformas e investimentos que estejam de acordo com as prioridades da UE.

Cada país tem prioridades específicas, tal como favorecer modos de transporte sustentáveis, promover a digitalização dos serviços públicos, proteger a biodiversidade, ou a reforçar a eficiência energética dos edifícios.

O Mecanismo está estruturado em torno de seis pilares:

  • transição ecológica
  • transformação digital
  • crescimento inteligente, sustentável e inclusivo
  • coesão social e territorial
  • resiliência sanitária, económica, social e institucional
  • políticas para a próxima geração

Como é que os Estados-membros têm acesso aos fundos?

Para aceder a este apoio, os Estados-membros apresentam à Comissão Europeia um plano de recuperação e de resiliência com objetivos claramente definidos.

Cada plano estabelece as reformas e investimentos a implementar até agosto de 2026 e deve abordar os desafios identificados no Semestre Europeu - o quadro da UE para a coordenação e vigilância das políticas económicas e sociais.

Os planos são avaliados pela Comissão Europeia e aprovados pelo Conselho Europeu, caso a caso.

Como funciona na prática o Mecanismo de Recuperação e Resiliência?

Uma vez aprovado pelo Conselho, a UE paga até 13% do apoio total adiantado, a fim de dar o pontapé de saída à recuperação do Estado-Membro.

Na fase seguinte, o financiamento do Mecanismo de Recuperação e Resiliência depende do desempenho. Os Estados-Membros desbloqueiam pagamentos periodicamente quando os objetivos e marcos acordados são atingidos. Os países podem solicitar pagamentos até duas vezes por ano.

Para financiar este pacote de apoio, a Comissão Europeia pede dinheiro emprestado nos mercados de capitais. Os Estados-Membros começarão a reembolsar os empréstimos a partir de 2028, e este reembolso será repartido por 30 anos, até 2058. As subvenções serão reembolsadas pelo orçamento da UE.

O Mecanismo de Recuperação e Resiliência e o Plano REPowerEU

O Mecanismo de Recuperação e Resiliência desempenha também um papel central na implementação do Plano REPowerEU, a resposta da Comissão às dificuldades socioeconómicas e à perturbação do mercado global de energia causada pela invasão russa da Ucrânia. 

Além de favorecer a transição digital, o Mecanismo de Recuperação e Resiliência visa ajudar os Estados-Membros a preparar-se para a transição ecológica, e alcançar uma economia mais sustentável e mais inclusiva.

Partilhe esta notícia

Notícias relacionadas

Análise: PRR milionários da UE enfrentam obstáculos no terreno

Bruxelas vai rever regras sobre dívida pública, despesa e investimento