EventsEventosPodcasts
Loader
Encontra-nos
PUBLICIDADE

Europeus aprovam medidas da UE para fazer face à crise energética e ajudar a Ucrânia

Imagem de stock
Imagem de stock Direitos de autor Canva
Direitos de autor Canva
De  James Thomas
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

Um total de 87% dos inquiridos afirmou considerar "muito importante" ou "bastante importante" que a UE tome medidas para limitar o impacto imediato do aumento dos preços da energia nos consumidores e nas empresas.

PUBLICIDADE

De acordo com uma nova sondagem oficial, os cidadãos europeus apoiam de forma esmagadora as medidas adotadas pela UE no último ano para proteger os consumidores e as empresas da volatilidade dos preços da energia.

Os números publicados pelo Eurobarómetro na segunda-feira mostram que os europeus também aprovam as medidas da UE para aumentar a segurança energética, a transição ecológica e a competitividade na indústria tecnológica, para além do apoio contínuo do bloco à Ucrânia contra a invasão russa.

A guerra na Ucrânia e a crise energética têm prejudicado a recuperação pós-pandémica da UE, abrandando os esforços para impulsionar a economia, aumentando os custos e exacerbando a inflação.

Quando questionados sobre a importância que atribuíam a várias iniciativas a nível europeu do ano passado, 87% dos inquiridos afirmaram considerar "muito importante" ou "bastante importante" que a UE tome medidas para limitar o impacto imediato do aumento dos preços da energia nos consumidores e nas empresas.

Outros 86% disseram ser importante que a UE promova a utilização sustentável dos recursos naturais, enquanto 76% dos inquiridos afirmaram ser importante que o bloco reforce a resiliência da sua economia.

A Comissão Europeia anunciou ontem que tinha revisto em baixa as suas previsões económicas, baixando o crescimento previsto para este ano para 0,8%, contra 1%. A Comissão culpou os preços elevados dos bens e serviços, que estão a "ter um impacto maior do que o esperado".

Os europeus querem continuar a apoiar a Ucrânia

Em termos de ações futuras, 85% dos europeus acreditam que a UE deve reforçar a sua produção de tecnologias limpas para melhorar a competitividade na cena mundial, e outros 79% dizem que Bruxelas deve introduzir medidas para reduzir o consumo de energia.

Os europeus foram também inquiridos sobre em que medida a UE deveria continuar a apoiar a Ucrânia contra a invasão russa, com uma clara maioria a desejar continuar a prestar assistência a Kiev.

As sanções económicas contra a Rússia são apoiadas por 71% dos cidadãos da UE, enquanto 65% querem ver a Ucrânia integrada no mercado único europeu.

Desde o início da invasão em grande escala, a Ucrânia tem vindo a intensificar os esforços para aderir à UE e ao seu mercado único o mais rapidamente possível, alcançando o estatuto de candidato em março de 2022.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Revisão em baixa do crescimento económico na União Europeia

A reeleição de Trump poderá afetar a economia europeia em 150 mil milhões de euros

Portugal celebra as feras e os heróis míticos com uma moeda de Ulisses