EventsEventosPodcasts
Loader
Find Us
PUBLICIDADE

Proibição de peles na UE: A indústria europeia de peles está em perigo?

Uma mulher experimenta um casaco de peles, a 25 de outubro de 2008, no Hotel Drouot, em Paris, dois dias antes do leilão de artigos de moda.
Uma mulher experimenta um casaco de peles, a 25 de outubro de 2008, no Hotel Drouot, em Paris, dois dias antes do leilão de artigos de moda. Direitos de autor LIONEL BONAVENTURE/AFP
Direitos de autor LIONEL BONAVENTURE/AFP
De  Euronews
Publicado a
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button
Artigo publicado originalmente em inglês

O Parlamento Europeu está a analisar uma petição que apela à proibição das peles. Embora a petição seja uma boa notícia para o bem-estar dos animais, tem havido algumas preocupações sobre as potenciais consequências económicas da proibição, uma vez que a UE é um dos principais produtores e vendedores de peles.

PUBLICIDADE

A Iniciativa de cidadania europeia Fur Free Europe está a apelar à proibição da criação e venda de peles em toda a União Europeia.

A iniciativa reuniu mais de 1,5 milhões de assinaturas em 18 Estados-Membros e é apresentada, a 12 de outubro, ao Parlamento Europeu pelas comissões do Mercado Interno e da Proteção dos Consumidores (IMCO) e da Agricultura e do Desenvolvimento Rural.

Uma proibição quase total das peles na UE encerraria milhares de explorações agrícolas e obrigaria muitos produtores de vestuário a mudar para colecções sem peles ou com peles artificiais.

Embora a petição seja um passo positivo para o bem-estar dos animais, alguns manifestam preocupação quanto ao seu possível impacto económico, dado que a UE detém uma posição significativa no mercado mundial de peles. Serão estes receios bem fundamentados?

Qual a importância da indústria europeia de peles?

A UE é o segundo maior produtor de peles a nível mundial, atrás da China.

Em 2021, as exportações de peles da UE representaram 107,8 milhões de euros, de acordo com várias organizações de defesa dos animais.

A indústria representa cerca de 100 mil postos de trabalho, repartidos entre a criação, a produção e a venda de produtos de peles.

Mas a produção de peles na UE já está em declínio acentuado.

Até agora, 14 Estados-Membros proibiram a criação de peles e muitos implementaram leis rigorosas para garantir o bem-estar dos animais, abrandando, de facto, a produção de peles.

Estará a indústria condenada a desaparecer?

Os últimos números apontam para um futuro bastante pessimista para a indústria: Em apenas dois anos, a produção de peles diminuiu para menos de metade - e tem vindo a diminuir há cerca de uma década.

De acordo com a Fur Free Alliance, a produção de peles de vison representou 18 milhões de peles em 2020 na UE, tendo descido para 7,5 milhões no ano passado. O mesmo se aplica à pele de raposa, com 700 mil peles produzidas em 2022, em comparação com 1,2 milhões em 2020.

A diminuição da procura é atribuída à campanha de sensibilização dos grupos de proteção dos animais, juntamente com o efeito da pandemia de COVID-19, que aumentou o receio da transmissão de doenças entre animais e seres humanos.

A Dinamarca, um grande produtor de peles de marta da UE, decidiu abater cerca de 15 milhões de animais para evitar a transmissão das variantes da COVID-19.

Os activistas dos direitos dos animais podem ter a certeza de que a indústria europeia de peles não é a única em declínio.

A China, o maior produtor mundial de peles, e o Canadá, cuja produção de peles está enraizada nas tradições do país, também viram as suas indústrias diminuir rapidamente nos últimos anos.

Após a apresentação da petição de proibição de peles, a 12 de outubro, os deputados do Parlamento Europeu deverão debater a proibição a 19 de outubro, tendo em conta as consequências para a indústria europeia de peles e o bem-estar dos animais.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Islândia suspende caça à baleia para defender bem-estar animal

PETA protesta contra uso de penas na moda

Normas de bem-estar dos animais de criação “devem ser revistas seriamente” na UE