Goya: Os galardões 2015 do cinema espanhol

Goya: Os galardões 2015 do cinema espanhol
De  Euronews
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

Os grandes nomes da indústria cinematográfica espanhola marcaram presença na 29/a cerimónia dos Goya, em Madrid. O ator, cantor e produtor Antonio

PUBLICIDADE

Os grandes nomes da indústria cinematográfica espanhola marcaram presença na 29/a cerimónia dos Goya, em Madrid.

O ator, cantor e produtor Antonio Banderas, 54 anos, foi galardoado com o Goya de Carreira.

Dedicou o prémio à filha Stella del Carmen, a quem pediu perdão pelas ausências prolongadas, mas não esqueceu Almodóvar, com quem trabalhou em vários filmes.

Segundo Banderas, o realizador foi crucial para o seu percurso em Hollywood: “Provavelmente ninguém pode compreender a evolução da minha carreira sem os sete filmes que fiz com Pedro Almodóvar. É um facto. Posso mesmo dizer que lhe devo a minha carreira norte-americana. O respeito com que contava em Holywood ajudaram a que atores como eu, próximos de Almodóvar, fossem reconhecidos nos Estados Unidos”.

Mas o grande vencedor dos prémios do cinema espanhol é “La isla mínima”. O filme, que ainda não teve estreia comercial em Portugal, retraça a investigação ao desaparecimento de várias adolescentes em 1980 no sul de Espanha.

A película estava nomeada para 17 Goya e ganhou dez, incluindo o de melhor ator, melhor filme e melhor realizador, para Alberto Rodriguez: “Tento nunca pensar nas vitórias, por isso, em caso de derrota não pareço estúpido. Mas o que aconteceu, nesta cerimónia, foi inimaginável. Foi o melhor cenário que poderia imaginar. Estou muito feliz”.

“Relatos Salvajes” do realizador argentino Damián Szifrón ganhou o Goya para melhor filme latino-americano.

A coprodução espanhola-argentina é composta por seis histórias independentes sobre as reações extremas que qualquer pessoa pode ter em situações quotidianas.

Produzido pela empresa El Deseo de Almodóvar, o filme é um dos cinco nomeados aos Óscares na categoria de filme estrangeiro.

Damián Szifrón comentou: “Estou muito contente com a nomeação aos Óscares e o facto de ter sido nomeado na categoria filme estrangeiro é já um triunfo. Não quero pensar se vou ganhar ou não. Podemos perder e ficar muito contentes. Já estou contente por participar”.

Duramente atingida pela crise, a indústria cinematográfica espanhola tem verdadeiras razões para festejar. Em 2014, os filmes espanhóis registaram um recorde de receitas e de entradas e atingiram uma quota de mercado de 25,5%.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Os grandes filmes dos Prémios do Cinema Europeu 2023

Monica Bellucci leva Maria Callas ao Festival de Cinema de Salónica

Realizador alemão Wim Wenders recebe Prémio Lumière em Lyon