Arco arranca em Lisboa em maio e quer criar pontes com o mercado artístico da América do Sul e de África

Arco arranca em Lisboa em maio e quer criar pontes com o mercado artístico da América do Sul e de África
De  Elza GONCALVES
Partilhe esta notíciaComentários
Partilhe esta notíciaClose Button

A Arco acaba de fechar portas em Madrid mas não vai ficar por aqui. A Feira de Arte Contemporânea, uma das mais célebres a nível europeu, chega a

PUBLICIDADE

A Arco acaba de fechar portas em Madrid mas não vai ficar por aqui. A Feira de Arte Contemporânea, uma das mais célebres a nível europeu, chega a Lisboa em maio, com a ambição de criar laços com o mercado artístico da América do Sul e de África.

A edição madrilena contou com a participação de duas centenas de galerias de 27 países, incluindo dez galerias portuguesas.

“Na Arco, você pode ver coisas de que não gosta e coisas de que gosta. O evento obriga-nos, enquanto profissionais e enquanto consumidores de arte, a identificar o nosso próprio gosto. Há muitas feiras que mostram um padrão convencional, o que está na moda. Por isso, não oferecem nada de especial ao consumidor”, afirmou Aaron Moulton, comissário do evento.

A edição lisboeta decorre entre 26 e 29 de maio, na Cordoaria Nacional, e pretende criar laços com outros continentes.

“A Grã-Bretanha, por exemplo, tem boas relações com a América do Norte. Podemos fazer o mesmo com a América do Sul e África. A Arco, em Madrid e Lisboa, pode ser uma plataforma de ligação entre o Norte e o Sul”, frisou a diretora da galeria portuguesa Cristina Guerra.

Todos os anos, a feira de arte madrilena destaca uma grande variedade de formas de expressão artística, da pintura à escultura, da fotografia, às instalações e ao vídeo.

Em 2016, a Arco festeja 35 anos.

Partilhe esta notíciaComentários

Notícias relacionadas

Estilista saudita Reem al Kanhal reinventa vestidos árabes tradicionais

Banda sonora da Guerra das Estrelas em 3D

Novas séries de televisão apresentadas no Festival de Monte Carlo